Cada vez mais se fala em conceito de Internet das Coisas, sobre dispositivos e eletrodomésticos conectados, que pretendem tornar a vida das pessoas mais confortável, reduzir custos e ajudar na sustentabilidade. A Vitrea é uma empresa israelita que pretende mudar a forma como as pessoas interagem com a iluminação em casa, através de um sistema inteligente, que chegou a Portugal através de uma parceria de representação exclusiva com o grupo imobiliário Consultan.

Em conversa com o SAPO TEK, Dov Slok, CEO da Vitrea, arrancou com o pensamento de que o “sistema de smart lighting da Vitrea pretende fazer com a iluminação inteligente nas casas das pessoas, aquilo que o mobile fez para os telefones”. E a afirmação surge mantendo o pensamento de que a sua empresa esteve igualmente ligada à produção de smartphones no passado, mas nos oito anos o sistema de iluminação tem sido o seu principal foco.

Dov Slok realça que a tecnologia de automação residencial não é nova, e que já existe há 30 anos, mas é necessária uma instalação complexa, acompanhando a própria construção da casa, o que o torna um produto de nicho e muito dispendioso. A Vitrea pretende democratizar o sistema de iluminação inteligente, criando um sistema de instalação fácil, oferecendo preços mais acessíveis que anteriormente, e sobretudo, oferecer um design distinto, sem qualquer interferência na decoração, ou melhor, a sua oferta é totalmente caracterizada pelos donos dos imóveis.

O segredo, que distingue a solução da empresa face à concorrência no sector, é que a Vitrea não mexe na instalação elétrica, nem no quadro de disjuntores, mas sim, apenas nos interruptores. Os buracos na parede necessitam apenas de ser aumentados ligeiramente, um processo rápido, garante a empresa.

O empresário lança mesmo “farpas” aos lóbis da indústria de eletricidade, referindo que o problema na estagnação dos sistemas em casa, há mais de três décadas se devem essencialmente a um problema de infraestrutura. “Todas as casas no mundo, a minha, a sua, todas têm um interruptor como este”, refere apontando para a parede. O paradigma que empresas como a sua quer mudar é a forma como as lâmpadas estão ligadas aos interruptores, e estes ligados ao disjuntor. Na sua visão, as lâmpadas vão diretas a uma caixa de baixa voltagem, “mas se é para mexer na infraestrutura, as empresas não gostam”, destaca o CEO da empresa. “Há um arquiteto na primeira fase, depois há o eletricista, segue-se o fornecedor dos cabos, depois o inspetor...”, explica o ciclo de construção dos sistemas antigos que os visados não querem mudar.

Iluminação inteligente controlada a partir do smartphone

O produto principal, o VTouch Pro, é baseado na tecnologia wireless Aranet, baseado em RF Mesh. Na prática, o controlador principal está conectado sem fios aos diversos switches que passam a ocupar o espaço dos interruptores convencionais. Estes são recetores e transmissores do sinal, trabalhando em teia virtual por todo o imóvel.

“Imagine que vai deitar-se, com apenas um toque no “interruptor” no quarto pode desligar a luz em todas as outras divisões”, realça Dov Slok. O sistema não é apenas aplicado à iluminação, como pode englobar o ar condicionado, o aquecimento, as persianas elétricas, sistemas de áudio e vídeo e até os alarmes de segurança em casa (em caso de emergência, todas as divisões ficam a piscar com uma árvore de Natal). “Ninguém tem uma solução destas no mercado com o alcance em todos os segmentos num único produto, como o da Vitrea”, realça o CEO da empresa.

[caption]Vitrea[/caption]
Os painéis em vidro da Vitrea podem ser personalizados.

E todo o sistema pode ser controlado através de uma aplicação gratuita disponível para smartphones, o que permite remotamente ativar equipamentos mesmo antes de chegar a casa. Imagine, por exemplo, ter a climatização ao gosto quando mete a chave na porta. Na demonstração ao SAPO TEK, Dov Slok ajustou alguns parâmetros da app da sua casa, detetando a presença da sua esposa pelas luzes que estavam ligadas, segundo a aplicação.

Segundo Guilherme Grossman, Partner Vitrea Portugal, “o sistema permite valorizar e modernizar a oferta imobiliária existente ou em novos projetos. Tem um design inovador e pode ser totalmente personalizado”, destacando ainda a facilidade de instalação, dando um exemplo de que num apartamento T3 será necessário apenas um dia para introduzir o sistema de smart lighting sem perturbar a família.

Relativamente ao design do VTouch Pro, invés dos botões físicos convencionais, são utilizados os pequenos painéis em vidro sensivel ao toque. É aqui que entra a personalização, mais uma vez semelhante às capas para os smartphones. No ato da encomenda, as pessoas podem imprimir qualquer padrão, boneco ou cor no seu “espelho”, ou caso desejem, podem mesmo “colecionar” os que quiserem e trocarem facilmente em poucos minutos, visto que a empresa vai vender em separado. E através de uma camada em autocolante pode legendar qualquer um dos botões táteis ao gosto, mediante a funcionalidade. Por exemplo, num painel totalmente dedicado a iluminação, os utilizadores podem configurar diferentes níveis de intensidade e dar-lhes nome, como “romântico”, ambiente de leitura, filme, etc. Os painéis podem ser montados tanto na vertical, como horizontal.

Mas tendo em conta que o sistema pode ser aplicado a outras utilizações, como a hotelaria, comércio, residenciais e até em barcos, é possível caracterizar os painéis em concordância. Por exemplo em hotéis, pode servir para indicar aos hóspedes se o quarto está ou não limpo, o número do quarto, entre outros. Além disso, o sistema é compatível com a integração de assistentes virtuais, tais como o Alexa.

[caption]Vitrea[/caption]
Estas pequenas caixas passarão a substituir os interruptores nas paredes.

Um dos grandes desafios da tecnologia é a latência, ou seja, a qualidade do tempo de resposta quando se aciona os interruptores. Nesse sentido, a Vitrea olhou para dentro, para a sua experiência como fabricante de smartphones e conseguiu produzir um algoritmo capaz de praticamente eliminar a latência. Em caso de falta de sinal wireless ou qualquer problema no equipamento, o circuito elétrico mantém-se a funcionar da forma tradicional, porque os painéis são interruptores de uso manual.

Segundo o CEO da empresa, os clientes que já tenham outros sistemas de iluminação inteligente e que queiram fazer o upgrade para a Vitrea, a sua tecnologia é totalmente compatível com as concorrentes, como a RTI, Crestron, Bitwise e outras. Da mesma forma que trabalha com qualquer dispositivo de ar condicionado ou sistemas de segurança, garante a empresa.

Dov Slok abordou ainda as questões relativas à segurança da rede, afirmando que a comunicação da rede Mesh apenas é despoletada quando existe um input manual do utilizador, ou seja, nunca estão em permanente comunicação como as habituais redes Wi-Fi. Sinal que é enviado a curta distância entre os interruptores espalhados pela casa.

Relativamente aos preços do sistema, a empresa avança com um valor de 4-5 mil euros, o que considera mais barato tendo em conta os 30 mil euros que custam os modelos anteriores, pela complexidade de montagem. No entanto, a Vitreo é um sistema modelar, o que significa que os utilizadores podem investir mediante as suas possibilidades, instalando nas divisões que lhes sejam prioritárias. Ainda que a Consultan não tenha revelado qual o primeiro cliente a adquirir este sistema de iluminação inteligente, a empresa de imobiliário prevê, tendo em conta os contactos já efetuados, ter 300 instalações em Portugal no primeiro ano.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.