“Decidimos retomar o programa lunar. Enviaremos a primeira nave à Lusa em 2021″, declarou Dmitri Rogozin, numa entrevista ao canal Rússia 24, em que referiu que a agência russa continua a satisfazer pedidos da agência norte-americana, apesar de as relações entre as duas terem estado tensas.

Rogozin foi um dos russos alvo de sanções por parte da administração do ex-Presidente norte-americano Barack Obama por causa da intervenção russa na Ucrânia, o que levou a NASA a cancelar um convite para Rogozin ir aos Estados Unidos, como pediram alguns senadores norte-americanos.

Entre as missões contratadas pela Rocosmos com a NASA está a modificação a uma nave Soyuz para ir e vir à Lua para criar “um sistema de transporte de reserva”.

Em 2020, termina o contrato entre as duas agências para transporte de astronautas norte-americanos em naves russas.

Relativamente ao programa lunar russo, afirmou que o lançamento da nave orbital Luna-26 foi adiado até 2023 e que a missão para aterrar na Lua também ficou para 2024, adiamentos de um ano em ambos os casos.

APN // PMC

Lusa/Fim