Pense em como é sua vida digital.

Você está no celular, entra em um site de buscas para procurar restaurantes nas redondezas e aparecem várias sugestões.

O seu aplicativo de música oferece uma playlist que combina perfeitamente com você, e os seus feeds de rede social são em sua maioria livres de conteúdo ofensivo.

Mas você sabia que se não fosse por um exército oculto de milhares de trabalhadores em todo o mundo, nada disso seria possível?

São os chamados “microtrabalhadores” – uma espécie de crowdsourcing (colaboração coletiva) paga para executar tarefas que as máquinas não conseguem desempenhar sozinhas.

Esses empregos costumam ter uma reputação negativa – são vistos como mal remunerados e podem envolver um trabalho repulsivo, de analisar vídeos e imagens com conteúdo perturbadores.

Mas para muita gente, é o trabalho perfeito.

O que é ‘microtrabalho’?

Os microtrabalhadores geram dados ao transcrever, limpar, corrigir e categorizar conteúdo.

Eles ajudam a fornecer dados para os algoritmos de aprendizagem automática (“machine learning”, em inglês), que são a base da inteligência artificial.

Imagem representando o trabalho sendo executado tarefa por tarefa
Grandes empresas usam 'microtrabalhadores' para realizar pequenas tarefas digitais créditos: BBC

As tarefas podem incluir desenhar caixas delimitadoras ao redor de imagens para ensinar aos carros sem motorista o que é uma árvore, um obstáculo ou uma pessoa em movimento.

Eles também rotulam os conteúdos com emoções, de modo que os algoritmos de análise de sentimentos possam aprender como soa uma música “triste”, ou se um texto ou uma palavra é “alarmante”.

Podem, ainda, identificar imagens de seres humanos, para ajudar o reconhecimento facial a diferenciar entre características como olhos, narizes e bocas.

Quem usa esse serviço?

A Amazon montou a primeira plataforma de microtrabalho em 2005.

Na ocasião, o CEO da empresa, Jeff Bezos, a descreveu como “inteligência artificial artificial”.

A plataforma chama Amazon Mechanical Turk, nome inspirado no “Turco Mecânico”, um robô jogador de xadrez do século 18 que os adversários enfrentavam pensando estar competindo contra uma máquina, quando na verdade havia um mestre de xadrez escondido lá dentro.

Amazon Mechanical Turk
O 'Turco Mecânico' zombava dos jogadores, que pensavam estar jogando xadrez contra uma máquina créditos: Getty Images

A Amazon usou esse sistema pela primeira vez para eliminar milhões de páginas duplicadas de produtos, uma vez que os computadores não conseguiam perceber diferenças sutis nas páginas, mas os humanos, sim.

No entanto, como uma pessoa não seria capaz de completar essa tarefa sozinha, eles dividiram o trabalho em tarefas pequenas, independentes e repetitivas que poderiam, em teoria, ser realizadas em segundos por trabalhadores humanos de qualquer lugar.

Em seguida, lançaram esse modelo de trabalho por meio de um site que servia como intermediário entre empresas que postavam tarefas e candidatos a relizar o trabalho.

Os microtrabalhadores ao redor do mundo que completam as tarefas são, então, pagos por elas.

Quem são os microtrabalhadores?

É difícil estimar quantos microtrabalhadores há no mundo, já que as companhias não divulgam números oficiais, a não ser os de usuários registrados.

Mas, para se ter uma ideia, estima-se que na Amazon Mechanical Turk, a plataforma mais conhecida, dezenas de milhares de pessoas trabalhem todos os meses – e que em qualquer momento do dia haja cerca de 2 mil a 2,5 mil microtrabalhadores ativos.

Esse número foi calculado por Panos Ipeirotis, professor na Universidade de Nova York, nos EUA.

O estudo dele constatou que a maioria dos trabalhadores da MTurk está baseada nos EUA e na Índia – mas isso se deve principalmente ao fato de que a plataforma limitou por muitos anos o acesso de trabalhadores de fora do território americano.

Atualmente, existem muitas outras plataformas de microtrabalho ao redor do mundo.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) entrevistou 3,5 mil microtrabalhadores em 75 países.

E descobriu que a idade média dos entrevistados era de 33 anos.

Um terço era de mulheres, mas em países em desenvolvimento, esse percentual caía para um quinto.

Eles também são instruídos – menos de 18% dos entrevistados haviam estudado até o ensino médio, um quarto havia frequentado a universidade e 20% tinham pós-graduação.

Mais da metade é especialista em ciência e tecnologia, 23% em engenharia e 22% em tecnologia da informação.

Como é ser um microtrabalhador?

O microtrabalho pode ser uma tábua de salvação para pessoas que não têm acesso a emprego ou a fontes de renda tradicionais, especialmente em países em crise.

Michelle Muñoz é dentista. Ela mora na Venezuela e trabalha online há dois anos.

Michelle, microtrabalhadora
Michelle diz que ganha mais como microtrabalhadora na Venezuela do que quando era dentista créditos: BBC

O colapso da economia e a hiperinflação galopante tornaram o microtrabalho a melhor opção para Michelle ganhar dinheiro na Venezuela.

“Eu tinha um consultório. Mas, infelizmente, tive que fechá-lo por causa da emigração. Muitas pessoas se foram, e as que ficaram não têm dinheiro suficiente para pagar dentista, precisam se preocupar com comida, educação e outras coisas”, explica.

Yahya Ayoub Ahmed é sírio e vive no campo de refugiados de Darashakran, em Erbil, no Iraque, após ter fugido da guerra.

Ele aprendeu inglês e habilidades de TI com uma organização chamada Preemptive Love, o que permitiu a ele ter acesso a microtrabalhos.

“Você pode usar (esse sistema) remotamente e gerar renda. Por aqui, se candidatar a um emprego é muito difícil, não é como se você pudesse simplesmente dar um Google em busca de trabalho, então isso permite que você trabalhe sem precisar se candidatar e enviar um currículo”, explica.

Ele aprendeu a realizar tarefas altamente precisas, como traçar caixas delimitadoras em volta de imagens ou desenhar máscaras de segmentação.

“Estou muito animado em aprender sobre machine learning e inteligência artificial”, diz ele.

Yahya, microtrabalhador
Yahya atua como microtrabalhador de um campo de refugiados no Iraque créditos: BBC

Mas há um obstáculo extra para trabalhadores em países como o Iraque, já que as tarefas são voltadas principalmente para países desenvolvidos, explica Allen Ninous, da Preemptive Love.

“A maioria dos serviços restringe o acesso de iraquianos. E mesmo que conseguissem entrar, não há uma maneira simples de receber o dinheiro, uma vez que todos os pagamentos são feitos por meio de sistemas bancários terceirizados, como o PayPal”, diz Allen Ninous, da Preemptive Love.

A organização dele assina acordos especiais com empresas para facilitar o acesso.

Encontrar trabalho é ainda mais complexo para quem faz isso sozinho em casa.

Rafael Pérez, que mora na Venezuela e ganha a vida com microtrabalhos, descreve uma situação semelhante.

Ele diz que não pode realizar a maioria das tarefas que são postadas.

E conta como muitas vezes levou calote.

“Lembro quando ganhei US$ 180 em 15 dias. É muito dinheiro, mas nunca me pagaram. Mandei email, liguei… mas você não tem com quem reclamar.”

Quanto paga?

O microtrabalho tem sido alvo de críticas por pagar muito pouco. A pesquisa da OIT mostrou que os trabalhadores ganhavam, em média, US$ 4,43 por hora.

Mas o pagamento varia muito de acordo com a região.

Enquanto nos EUA eles ganham uma média de US$ 4,70 (que é menos do que o salário-mínimo), na África recebem US$ 1,33.

E isso sem contar que os trabalhadores gastam, em média, 20 minutos em atividades não remuneradas para cada hora de trabalho remunerado.

Isso inclui procurar tarefas ou fazer testes para se qualificar para as mesmas.

“Passo o dia todo, ou a maior parte do dia, procurando tarefas. Quando consigo, tenho de sentar e fazer”, diz Rafael.

Eles também gastam parte do tempo fugindo de golpes.

Michelle conta que no início foi enganada por sites fraudulentos, mas que agora se certifica de pesquisar e submeter as plataformas a um período de teste antes de começar a trabalhar nelas.

A forma como recebem o pagamento tampouco é simples.

Como é feito o pagamento?

Os trabalhadores são remunerados por meio de pagamentos eletrônicos.

Para terem acesso aos valores, usam plataformas online em que terceiros convertem seu crédito eletrônico em dinheiro vivo, após cobrar uma comissão.

Rafael diz que, se o dia for favorável, ele ganha de US$ 8 a US$ 10, com os quais consegue comprar uma caixa de ovos pequena, um quilo de farinha de milho e um quilo de feijão.

“Você não vai viver muito bem, mas vai comer”, diz.

Ele se concentra naquilo que chama de tarefas “tediosas”, mas fáceis, como buscar informações na web e identificar partes de frases.

Michelle, por sua vez, realiza tarefas mais complexas, como traduções, desenhos de caixas e análise de sentimentos. Ela conta à BBC que chegou a ganhar cerca de US$ 80 em um dia, que usou para comprar um smartphone que utiliza agora para o microtrabalho.

Ela acredita que deveria haver mais “apoio e reconhecimento” aos microtrabalhadores, que as plataformas ganham muito dinheiro graças ao trabalho deles e “pagam mal, pelo menos na Venezuela”.

É o trabalho do futuro?

Paola Tubaro, que estuda as práticas de microtrabalho, acha que esse tipo de trabalho não é transitório, mas estrutural para o desenvolvimento de novas tecnologias, como a inteligência artificial.

“Mesmo que as máquinas aprendam, digamos, a reconhecer cães e gatos e não precisem de mais exemplos, ainda é necessário fornecer mais detalhes para elas reconhecerem, como sinais de trânsito em outros idiomas ou de outros países.”

À medida que essas tecnologias avançam, aumentará a necessidade de pessoas para alimentá-las de dados. “Não é algo temporário”, avalia.

Atualmente, não há regulamentação governamental para plataformas de microtrabalho, portanto, são as próprias plataformas que estabelecem as condições.

Também houve críticas à falta de apoio aos microtrabalhadores que realizam tarefas de moderação e estão expostos a conteúdos perturbadores, com os quais têm de lidar sozinhos.

A OIT, em seu estudo, pede uma melhor regulação do setor para que certas condições – como salário-mínimo e maior transparência nos pagamentos – sejam cumpridas.

Por enquanto, diz Tubaro, “o microtrabalho é invisível para muita gente e tem atraído pouca atenção da opinião pública”.

Até mesmo o debate ético em torno da inteligência artificial, diz ela, se concentrou na transparência e na imparcialidade dos algoritmos, mas “não levou em conta os trabalhadores que estão por trás da própria produção da inteligência artificial”.

“Não pode ser justo se essas pessoas não são pagas o suficiente, ou não têm nenhum tipo de proteção social. Se as pessoas trabalham sob as mesmas condições que as fábricas do século 19, isso não é algo que nossa sociedade deveria aceitar.”


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=4xcZQ9ufxfk

https://www.youtube.com/watch?v=OfzC36k1gjo

https://www.youtube.com/watch?v=upkhZui15nk

DO NOT DELETE – DIGIHUB TRACKER FOR [49190645]

Escrito por: Ana Lucia Gonzalez - BBC World Service

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.