Quando foi introduzido no Windows 10, em 2015, o Edge pretendia ser a experiência de navegação na internet para substituir o ultrapassado Internet Explorer. A tecnologia foi construída de raiz e pretendia ser leve, rápida e segura, mas acabou por ter diversos problemas, levando a ser rapidamente descartada pelos utilizadores. Três anos depois, a Microsoft vai construir um novo browser, desta vez assente em Chromium, baseado em open source, que serviu de base para o Chrome da Google.

Segundo o Windows Central, o browser tem o nome de código Anaheim e é um passo para revitalizar o sistema de navegação integrado no PC. A estratégia baseia-se na introduzida nos sistemas Android e iOS, cujas versões do Edge utilizam motores nativos dessas plataformas.

Para além das informações de uma fonte segura anónima, foram avistados engenheiros da Microsoft a mexer no código do projeto Chromium, ajudando o Chrome a correr no ARM, com a publicação a sugerir que o novo browser possa correr no Windows 10 na arquitetura ARM.

Ao introduzir a sua visão para o Chromium no Windows 10, as hostilidades da Microsoft ao Chrome podem terminar. Até aqui, o executável de instalação do Chrome tinha sido retirado da loja do Windows, devido a conflitos de violação de políticas de utilização face ao Edge.