A maioria dos relatos de violência doméstica são contra mulheres. Um terço de todas as mulheres e meninas sofrem violência física ou sexual durante a vida, de acordo com a ONU.

Muito menos comuns, e menos comentados, são os ataques a parceiros ou parentes homens.

A violência doméstica contra os homens é um tabu em muitas sociedades, e as vítimas muitas vezes precisam enfrentar suas dificuldades sozinhas.

Um jovem ucraniano compartilhou sua história com a BBC, sob condição de anonimato. Leia, a seguir, o que ele relatou e conselhos de especialistas sobre como reconhecer os sinais de abuso e o que fazer a respeito disso.

Minha primeira mulher

Não sei se meus amigos suspeitaram de algo. Tudo parecia ótimo nas aparências: rostos sorridentes, amigos, muito dinheiro, felicidade e confiança. Nós viajamos metade do mundo juntos.

Eu não sentia medo dela quando estávamos viajando: ela não me machucaria na frente de outras pessoas. O mais importante era evitar ficar sozinho com ela.

Uma mão segura um telefone celular, mostrando uma imagem de um casal.
créditos: BBC

Só recentemente eu me dei conta de que fui estuprado pela minha ex-mulher por 10 anos.

Ira foi minha primeira mulher. A gente se conheceu aos vinte e poucos anos e ela me convidou para sair.

Meus pais me disseram que eu tinha de sair da casa deles imediatamente depois que comecei a namorar alguém. Em outras palavras, iniciar um relacionamento significava abrir mão da família e de um teto: em um dia, tive de abrir mão de tudo. Foi assustador.

Baixa autoestima

Além disso, minha mãe tinha vergonha de mim e de como eu era. Eu tinha autoestima muito baixa.

Minhas primeiras tentativas de sexo foram com Ira e, naquela época, eu queria isso. No entanto, não era completamente normal: era doloroso e agressivo. Nosso primeiro sexo durou cerca de cinco horas, e eu ficava sentindo dor depois.

Ela tinha essa mania, que tinha de haver esperma no final. Eu seria esfregado até que conseguisse. Em média, durava de uma a duas horas.

Sexo é para ser agradável, mas nunca foi agradável para mim. Eu não tinha experiência e costumava pensar que era assim, e por isso costumava dar consentimento. Mas logo eu disse “não”, porém isso não a impediu de continuar. Foi quando se transformou em estupro.

Uma ilustração de uma figura em posição fetal
créditos: BBC

Encurralado

Eu tive que viajar para o exterior em uma longa viagem de negócios. Eu tinha medo de perder Ira, então pedi que ela viajasse comigo. Eu até me ofereci para me casar primeiro. Ela recusou, mas se juntou a mim. Foi aí que tudo começou.

Eu estava sobrecarregado e queria descansar, mas ela começou a exigir sexo. Eu concordei uma vez, duas vezes… Ela dizia: “Quero, preciso, então você precisa, vamos lá, estou esperando há muito tempo”. Eu respondia: “Não, não quero, quero descansar, estou cansado”.

Então ela me batia e não havia nada que eu pudesse fazer. Ela costumava arranhar minha pele com as unhas até sangrar, ela costumava me dar soco. Ela nunca deixou marcas no meu rosto, ela só machucava o que ficava coberto: meu peito, costas, mãos.

Não enfrentei porque pensei que bater em uma mulher era agressivo e errado. Foi assim que meus pais me educaram.

Eu estava me sentindo pequeno, fraco e simplesmente não conseguia escapar. Ela conseguiria o que queria.


Tentei alugar um quarto separado para mim no hotel uma vez. Mas eu não falava o idioma local, então eles não me entenderam na recepção. Acabei encurralado.

Eu estava com medo de voltar do trabalho para o hotel, então eu costumava passear pelo shopping até a hora de fechar. Depois disso, eu andava pela cidade. Era outono, frio e úmido, e eu não tinha levado nenhuma roupa quente comigo.

Por fim, tive infecções do trato urinário, prostatite e febre. Isso não impediu Ira: eu tive de fazer o que ela queria.

Os fins de semana eram os piores momentos: acontecia no sábado pela manhã e no domingo à noite. Contei os dias antes de retornar à Ucrânia. Eu pensei que isso acabaria com o nosso relacionamento, mas eu estava errado.

Em uma imagem por trás de um vidro, uma pessoa segura a cabeça
créditos: Getty Images

´Tentei sair, mas desisti´

Voltei a morar com meus pais e não pretendia manter contato com Ira, muito menos morar com ela. Mas minhas tentativas de me libertar se arrastaram por anos.

Nós brigávamos, eu desligava meu telefone e a bloqueava em todo lugar. Eu me escondia, mas ela vinha e sentava do outro lado da porta fechada. Ela me ligava e prometia que tudo ficaria bem.

E eu voltaria para ela todas as vezes. Eu estava com muito medo de ficar sozinho.

No começo, fiz muitas tentativas de deixá-la, depois menos e, finalmente, desisti. Ela insistiu que nos casássemos, e casamos, embora eu não quisesse mais isso.

Ira tinha ciúmes de todos: meus amigos, minha família. Onde quer que eu fosse, tinha que sempre ligar para ela. Eu tinha que estar com ela, ao seu alcance.

Ela não podia ir a lugar nenhum sem mim. Eu era uma espécie de brinquedo que tinha de entretê-la o tempo todo.


Ira não tinha emprego. Eu era o provedor, cozinhava e limpava. Alugamos um apartamento grande com dois banheiros. Fui proibido de usar o banheiro principal e tive de usar o de visitas. Todas as manhãs eu tinha de esperar até que ela acordasse às nove ou dez horas, caso contrário eu perturbaria o sono dela.

Ela decidiu que tínhamos que dormir em quartos diferentes e meu quarto não tinha fechadura. Eu nunca poderia estar sozinho.

Quando eu estava fazendo “algo errado”, ela gritava comigo e me batia. Isso costumava ocorrer uma vez por dia ou a cada dois dias.

Por qualquer coisa que acontecia, ela me culpava. Fiquei ouvindo sobre que tipo de homem ela precisava, o que e como ele deveria ser. Eu estava sem forças e fazia tudo o que ela exigia apenas para evitar sua raiva e a explosão que logo se seguiria.

Lembro-me de descer as escadas e sentar no carro, chorando. Ela passou por mim e me notou. Quando voltei para casa, ela disse que sentia muito por mim, mas que não conseguia parar.

Então, tudo recomeçaria no dia seguinte. Não importava o que eu fizesse e como me sentiria péssimo, nada mudou.

Também não sou perfeito. Para evitar tudo isso, eu trabalhava 10, 12, 14 horas por dia, nos finais de semana e feriados. É simples: algumas pessoas bebem e outras trabalham.


Por que as vítimas de violência não deixam seus agressores?

Uma ilustração de uma foto de uma mulher segurando a cabeça nas mãos
créditos: Press Association

• Pessoas que cresceram em uma família onde houve violência reproduzem o comportamento de seus pais em suas famílias

• Medo de isolamento e estereótipos: “O que os vizinhos dirão?”, “Uma criança deve crescer com pai e mãe”

• Os primeiros estágios (abuso psicológico) são difíceis de reconhecer. Portanto, a pessoa abusada gradualmente se acostuma e perde a capacidade de avaliar a situação e agir.

• A pessoa que sofre a violência muitas vezes não tem para onde ir, depende financeiramente do agressor ou está em uma posição vulnerável (como gravidez ou com crianças pequenas)

• Ao pedir ajuda às autoridades, eles ouvem “Estes são problemas familiares” e desistem

Alyona Kryvuliak, chefe do La Strada-Ukraine National Hotline Department, e Olena Kochemyrovska, consultora da ONU na área de prevenção e combate à violência causada de gênero, mencionaram essas e outras razões.


‘Comecei a falar e não conseguia parar’

Quando você está em uma situação como essa, não percebe o que está acontecendo com você. Você não vê a saída e não ouve ninguém. Você nem pensa que tem chance de escapar, é total falta de esperança.

Fiz coisas que não queria fazer porque estava acostumado a isso. Eu sempre “devia” algo a todos e nunca me pertencia. Pertencia à minha avó, aos meus pais. Sempre achei que era preciso sacrificar tudo pelo bem de um relacionamento.

E então eu sacrifiquei meus interesses e a mim mesmo, o que parecia normal para mim naquela época. Então, tudo ficou ainda pior.

No começo, eu simplesmente não gostava, mas, durante os últimos três a quatro anos do relacionamento, o sexo desencadeava ataques de pânico constantes. Isso acontecia sempre que Ira conseguia me pegar e me forçar.

Quando eu entrava em pânico, eu a afastava, me escondia e corria. Fugia de casa, ou pelo menos da sala.

Uma ilustração de uma pessoa afundando em uma piscina distópica
créditos: BBC

Ira pensou que estávamos tendo problemas sexuais por minha causa. Então, de tempos em tempos, ela me levava a um sexólogo.

Sempre que eu dizia que havia algo de que eu não gostava e que simplesmente não queria sexo, me diziam que eu era o problema. Fiquei calado sobre abuso e estupro.

Para Ira, essas visitas eram a prova de seu argumento. Eu falei sobre a violência pouco antes do divórcio. Comecei a falar e não conseguia parar.

‘Como eu encontrei apoio e uma saída’

Era outono, eu estava na cama com bronquite e febre de 39 a 40 graus por cerca de duas semanas. Ninguém tinha falado comigo durante todo esse tempo. Foi quando percebi que minha vida não tinha valor e ninguém notaria se eu morresse ali.

Foi um momento de horror, nojo e incrível autopiedade. Eu queria contar a alguém, mas não sabia quem ou como.

Uma vez fui à casa dos meus pais quando eles não estavam lá, só para ficar sozinho.

Eu estava na internet e entrei em um bate-papo que apareceu em uma janela de anúncio. Tudo era anônimo lá, como se você não existisse.

Foi a primeira vez que eu disse algo sobre o que estava acontecendo comigo. Eu ainda não reconhecia como abuso, mas a partir desse momento, comecei a dizer “não” mais e mais.

Primeiro, era sobre pequenas coisas, era importante para mim dizer “não” em vez de ficar quieto. Sempre que eu precisava de força, eu me lembrava daquelas semanas em que fiquei doente.

Acabei encontrando um terapeuta familiar, que me deu apoio. Ira e eu tínhamos tempo para conversar durante as sessões, e ela foi proibida de me interromper. Foi quando eu falei pela primeira vez sobre o abuso.

Ela ficou tão furiosa que gritou comigo e disse que não era verdade.

No entanto, ela propôs um divórcio logo depois disso. Eu não acho que ela queria isso, acredito que foi sua tentativa de me silenciar. Eu sabia que não teria outra chance e concordei.

Havia uma fila em um escritório, então fomos para outro. Eu estava pensando comigo mesmo: eu tenho que fazer isso enquanto ainda tenho a chance.

E fizemos isso.

Uma ilustração de uma ponte com um homem caminhando para longe
créditos: BBC

Quando peguei os documentos do divórcio, um mês depois, foi o dia mais feliz da minha vida.

Um dia após o divórcio, gritei para ela: “Você estava me estuprando!”

“Eu estava te estuprando?”, ela respondeu. “E daí?”

Eu não sabia o que responder e ainda não sei. De certa forma, ela admitiu o que tinha feito, mas principalmente deu risada disso.

Voltei a morar com meus pais, larguei o emprego e fiquei em casa por algumas semanas. Eu tinha medo que ela estivesse em algum lugar lá fora, me procurando.

Um dia ela voltou e começou a bater na porta, chutando e gritando. Minha mãe disse que estava assustada. Eu sorri para mim mesmo: “Mãe, você nem imagina …”

É importante entender: isso mata

Não coletei provas e não contei a ninguém.

Eu provavelmente poderia ter contado aos meus pais, mas desde a minha infância eu sabia que eles não eram capazes de guardar segredos. Eu também não sabia como conversar com meus amigos sobre as coisas que estavam acontecendo comigo.

Eu estava procurando grupos de apoio, mas na Ucrânia eles são apenas para mulheres. Por fim, encontrei uma comunidade online de apoio mútuo para homens de São Francisco.

O primeiro psicoterapeuta a que fui na Ucrânia me ridicularizou: “Isso não acontece assim. Ela é uma menina e você é um menino”. Então mudei seis vezes de especialista e finalmente estou recebendo ajuda. Levou oito meses para eu deixar alguém segurar minha mão.


Como os homens podem obter ajuda psicológica?

Ilustração de uma foto de um homem sentado no canto de uma sala segurando seu rosto
créditos: Getty Images

Grupos de apoio psicológico foram criados na comunidade do Clube dos Pais na Ucrânia, mas a iniciativa não durou muito, segundo o ativista Max Levin. Ele diz que os homens não estavam prontos para ir a um psicólogo.

Alyona Kryvuliak, da La Strada-Ucrânia, diz que os homens começaram a pedir ajuda somente quando a linha direta de La Strada começou a trabalhar 24 horas por dia. Os homens não eram capazes de fazer ligações durante o horário comercial tradicional.

Mas, mesmo agora, os homens estão preocupados principalmente com o anonimato e não estão prontos para defender seus direitos em instituições públicas, como tribunais ou policiais.

Para as vítimas do sexo masculino, a retirada psicológica do abuso pode ser um processo demorado, explica a psicóloga, psicoterapeuta e sexóloga Yulia Klymenko. Afinal, a sociedade não ajuda com frases como “meninos não choram” ou “homens são fisicamente mais fortes”.

Uma pessoa com um trauma de abuso sexual, psicológico ou físico pode parecer incomum para a comunidade. Segundo Klymenko, os clientes com traumas complexos que envolvem vários tipos de abuso precisam ser “ressuscitados” por um longo tempo, independentemente de gênero ou idade.


Eu cogitei processá-la. Os advogados disseram que havia uma chance de obter uma ordem de restrição. Mas não preciso disso agora. Por um longo tempo, eu só queria que ela admitisse o que tinha feito e pedisse desculpas.

Ainda não vou trabalhar e é muito difícil sair da cama todas as manhãs. Não tenho nada para viver. Eu nem sei o que tenho feito o ano todo.

Eu sei que nunca terei um relacionamento e nunca terei filhos. Eu desisti de mim mesmo.

Mas, caramba, fiquei em silêncio por tanto tempo, e isso bagunçou a minha vida. Talvez haja um cara em uma situação semelhante no momento e ele leia minha história.

É importante que ele entenda: não vai acabar, nada será consertado, é uma verdadeira bagunça que nunca desaparecerá e vai te matar. Se você entende isso, pelo menos tem uma chance.


No Brasil, para onde ligar em caso de violência?

No Brasil, o 190 é número de telefone da Polícia Militar, que deve ser acionado em casos gerais de necessidade imediata ou socorro rápido. A ligação é gratuita. Outros números são o 192, do serviço de atendimento médico de emergência, e o 193, do Corpo de Bombeiros.

Pelo Disque 100, que também é uma ligação gratuita e funciona 24 horas, é possível fazer denúncias de violações de direitos humanos. Além de denunciar por telefone, também é possível fazer a denúncia pelo aplicativo Proteja Brasil, disponível para iOs e Android.

Segundo o governo, o serviço “pode ser considerado como ‘pronto-socorro’ dos direitos humanos pois atende também a graves situações de violações que acabaram de ocorrer ou que ainda estão em curso, acionando os órgãos competentes, possibilitando o flagrante”.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://youtu.be/g6GUgSbS79Q

https://youtu.be/s1KwbPWABcw

https://youtu.be/wLmxnCHi8zc

Escrito por: Viktoriia Zhuhan, Yana Gribovskaya e Denis Korolev - BBC News Ucrânia e Rússia

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.