Um vilarejo no oeste da França está oferecendo um prêmio de 2 mil euros (cerca de R$ 8,9 mil) para quem ajudar a decifrar uma inscrição de cerca de 230 anos gravada em uma rocha.

Até hoje ninguém foi capaz de entender o significado das 20 linhas escritas na pedra, descoberta há alguns anos em uma praia remota.

A rocha de um metro de altura está localizada em uma enseada acessível apenas na maré baixa, próxima ao vilarejo de Plougastel-Daoulas, na Bretanha.

Há letras do alfabeto latino, sendo algumas invertidas ou de cabeça para baixo. E também algumas que remetem às línguas escandinavas, como Ø.

Michel Paugam ao lado da inscrição da rocha
Michel Paugam, autoridade local, acha que a inscrição pode estar na língua bretã antiga créditos: AFP

Dois anos podem ser identificados – 1786 e 1787 -, o que sugere que a inscrição data de poucos anos antes da Revolução Francesa. Há ainda a imagem de um barco à vela e um leme, além de um sagrado coração – que é representado por um coração com uma cruz em cima.

Mas a escrita desafiou todas as tentativas de interpretação dos acadêmicos locais.

Alguns acham que pode estar na língua bretã antiga ou basca, e que a pessoa que escreveu poderia ser apenas semialfabetizada.

As letras poderiam estar relacionadas com o som das palavras ouvidas pelo autor.

Em uma parte, é possível ler: “ROC AR B … DRE AR GRIO EVELOH AR VIRIONES BAOAVEL”.

Em outra, está escrito: “OBBIIE: BRISBVILAR … FROIK … AL”.

Uma teoria é que a inscrição estaria ligada à construção de defesas navais perto desta localidade. Um forte e postos de artilharia – cujas ruínas ainda podem ser observadas – foram erguidos nesta região na década de 1780 para proteger a Baía de Brest. Até 1783, a França e a Inglaterra estavam em guerra.

“Nós perguntamos a historiadores e arqueólogos da região, mas ninguém foi capaz de descobrir a história por trás da rocha”, diz Dominique Cap, prefeito de Plougastel.

“Então pensamos que talvez exista alguém no mundo com o tipo de conhecimento especializado de que precisamos. Em vez de permanecer na ignorância, resolvemos lançar uma competição.”

O apelo público por ajuda é chamado de “O Mistério de Champollion em Plougastel-Daoulas” – em homenagem a Jean-François Champollion, o linguista que decifrou os antigos hieróglifos egípcios da Pedra de Rosetta no século 19.

Apaixonados por linguística e arqueologia são convidados a se registrar na prefeitura – na sequência, receberão fotografias da inscrição. Centenas de pessoas já manifestaram interesse.

Quando as inscrições terminarem, em novembro, um painel vai escolher a interpretação mais plausível do mistério.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=D5e2rm5qlXc&list=PLCX5XjxKTpTk7wKXu_DjsE65Tt85hgMzX&index=2&t=234s

https://www.youtube.com/watch?v=OfzC36k1gjo&list=PLCX5XjxKTpTk7wKXu_DjsE65Tt85hgMzX&index=3&t=14s

https://www.youtube.com/watch?v=Id8FpLg_aZk&list=PLCX5XjxKTpTn4uypnqYeTDrXCEj0JNYRH&index=4&t=0s

Escrito por: Hugh Schofield - BBC News

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.