São poucas as companhias que conseguem sobreviver ao longo de 25 anos no meio de muitas dificuldades. A Companhia de Teatro Mutumbela Gogo é um dos raros exemplos no continente africano de grupos teatrais que conseguiram manter-se em cena ao longo de 25 anos. E para a assinalar as suas Bodas de Prata, o Mutumbela Gogo está a levar a cabo um festival internacional de teatro, no qual participam grupos de Nampula, Sofala, Portugal e Áustria.

Ao longo deste período, o Mutumbela Gogo tornou-se referência nas artes cénicas com raízes moçambicanas, sendo o berço de muitos actores que posteriormente acabaram por abraçar outros projectos teatrais no país e no exterior.

Para Manuela Soeiro, Directora da Companhia, celebrar as Bodas de Prata significa “maturidade, profissionalismo e qualidade na actividade”, acrescentando que não foi “fácil sobreviver” ao longo destes 25 anos, sustentando que “com o teatro nós não podemos sobreviver, mas aprendemos formas de sobreviver e viver. Tivemos momentos muito altos, alguns não tão fortes, mas sempre que estávamos a começar uma crise logo tínhamos a possibilidade de imaginar outras formas de trabalhar”.

Passados que estão 25 anos a acompanhar e envolvidas em actividades cénicas, a directora do Mutumbela Gogo disse que tem estado a assistir com satisfação “o crescimento do teatro moçambicano e os outros grupos já começam a criar o seu espaço que propicia a esta evolução”.

No âmbito das comemorações dos 25 anos, o Mutumbela Gogo produziu uma peça que leva o título que “Pão Com Teatro” que retrata as várias fases do grupo, sendo protagonizada pelos mais emblemáticos actores da companhia, tais os casos de Lucrécia Paco, Graça Silva, Adelino Branquinho, Victor Raposo, Jorge Vaz, entre outros.

Por outro lado, ao longo do Festival Internacional de Teatro o Mutumbela Gogo vai repor algumas das suas afamadas peças, tal é o caso “Nove Horas”.

Os grupos Mahamba (Maputo), Tambu Tambulani Tambu (Pemba), Mugachi (Matola), Os Factos (Nampula, Trigo Limpo (Portugal) e Gaulhofer (Áustria) são alguns que estão a participar neste festival que vaidecorrer até ao dia 13 de Novembro, como sessões agendadas para o Teatro Avenida.

Alfredo Lituri (Texto) e Sérgio Costa (Fotos)
SAPO MZ