A data que recorda os nomes que lutaram para independência de Moçambique está associada ao momento da morte do fundador da FRELIMO e a um dos grandes nomes nacionalistas de Moçambique: Eduardo Mondlane. Desta forma, celebra-se hoje o 42º aniversário da morte do líder político.

Quando se fala da luta que os moçambicanos travaram para alcançar a sua independência, é inevitável não falar da Guerra colonial e dos nomes que a ela estão ligados. Marcelino dos Santos, Samora Machel, Eduardo Mondlane.

Marcelino dos Santos  nasceu no Lumbo em 1929 e actualmente é um político e poeta moçambicano. Foi membro fundador da Frente de Libertação de Moçambique, onde chegou a vice-presidente. Depois da independência de Moçambique, Marcelino dos Santos foi o primeiro Ministro da Planificação e Desenvolvimento, cargo que deixou em 1977 com a constituição do primeiro parlamento do país (nessa altura designado “Assembleia Popular”), do qual foi presidente até à realização das primeiras eleições multipartidárias, em 1994. Com os pseudónimos Kalungano e Lilinho Micaia tem poemas seus publicados no Brado Africano e em duas antologias publicadas pela Casa dos Estudantes do Império, em Lisboa. Com o seu nome oficial, tem um único livro publicado pela Associação dos Escritores Moçambicanos, em 1987, intitulado “Canto do Amor Natural".

Samora Moisés Machel, por seu turno, nascido em Gaza foi o primeiro presidente de Moçambique. Foi um  líder revolucionário de inspiração socialista que chegou ao governo de um novo Moçambique após a independência, de 1975 a 1986. Carinhosamente conhecido como «Pai da Nação», morreu quando o avião em que regressava ao Maputo se despenhou em território sul-africano. Em 1975-1976 foi-lhe atribuído o Prémio Lénine da Paz.

Mondlane em específico, desempenhou um papel importante na união dos três movimentos de libertação que os moçambicanos nacionalistas tinham criado fora de Moçambique, formando um só movimento, a Frente de Libertação de Moçambique - FRELIMO, que surgiu a 25 de Junho de 1962, na Tanzânia, e da qual Mondlane foi o primeiro presidente, permanecendo nessa função até à sua morte.

Desde a independência do país a 25 de Junho de 1975, que a data é celebrada em Moçambique como o Dia dos Heróis Moçambicanos. Para este ano, estão previstas as habituais cerimónias de deposição de coroas de flores na Praça dos Heróis Moçambicanos, logo pela manhã, cerimónia que será presidida pelo Presidente da República, Armando Guebuza, que desembarcou nesta terça-feira em Maputo, após tomar parte na Cimeira da União Africana em Adis Abeba, na Etiópia.