Dizem que nunca devemos desistir dos nossos sonhos — que o diga o personagem Ash Ketchum, da série animada Pokémon.

O protagonista da saga se tornou finalmente um “Mestre Pokémon” no último domingo, feito que ele vinha tentando alcançar desde a primeira temporada do anime, lançado em 1997.

Foram 22 anos de persistência.

É claro que Ash é um personagem fictício, mas para muitos fãs do desenho, este é um momento importante.

O protagonista da série venceu a tão sonhada Liga Pokémon no episódio mais recente do anime, que foi ao ar no Japão no último domingo.

Apesar de ter chegado perto da vitória em algumas ocasiões, o treinador de pokémons foi derrotado em todos os campeonatos disputados ao longo da trama até então.

‘A lição é dar a volta por cima’

Mas isso — aliado ao carisma do Pikachu, o pokémon mais famoso – sempre fez parte do apelo da série animada.

“Pokémon era um grande escapismo para mim, mas também me ensinou que não era um problema não ser necessariamente o melhor”, afirmou o britânico Jake Saunders, de 27 anos, à BBC Radio 1 Newsbeat.

“Em outras palavras, era tudo bem ser um perdedor. A lição importante é dar a volta por cima, enfrentar os golpes e seguir adiante.”

Jake Saunders
"Ash levou 22 anos, é o tempo da juventude de muitas pessoas', avalia Jake créditos: Jake Saunders

Laura Kate Dale, de 28 anos, diz que Ash provou a ela que você ainda pode “ser digno de elogios”, mesmo se fracassar todas as vezes.

“Ele sempre foi o azarão, metade das vezes que ganhou insígnias foi porque fez algo bom, não porque ele era o melhor na batalha”, diz ela ao Newsbeat.

“Havia algo realmente bonito em ver isso crescer – que não tem problema se você não for o mais forte, o mais qualificado, desde que continue tentando ser a melhor pessoa que puder, a mais agradável possível para aqueles que estão ao seu redor.”

Aprender a lidar com problemas reais

Quando se fala em Pokémon, muita gente pensa logo no Pokémon Go, jogo de realidade aumentada para smartphones, lançado em 2016. Na época, o jogo virou uma febre, levando as pessoas às ruas para caçar os pequenos monstros virtuais, como Nidoqueen ou Vulpix.

Mas o desenho animado ajudou muitos fãs da saga, como Kate e Jake, a lidar com problemas sérios na vida real.

Kate lembra até hoje do episódio em que Ash conheceu uma Charmander (espécie de Pokémon pequeno, alaranjado, com rabo em chamas), que havia sido abandonada por seu treinador original.

“Na época, eu era uma criança lidando com o fato de que meu pai biológico tinha saído de casa e não parecia se importar com deveria”, diz ela.

Laura Kate Dale
"Havia algo realmente bonito em ver isso crescer", diz Laura, sobre a jornada de Ash em Pokémon créditos: Laura Kate Dale

“A história do episódio era sobre aprender a seguir em frente e ficar bem depois que alguém que deveria cuidar de você desaparece — foi muito bom para lidar com algo que, para uma criança, era realmente difícil de entender.”

“Era nisso que o programa era bom de verdade. Contava histórias sobre temas empáticos ​​de maneira palatável para crianças”, acrescenta.

‘Encerramento maravilhoso’

Mas essas crianças cresceram e são adultos agora.

Jake (que se diz um “homem-criança”, apesar de estar no processo de comprar uma casa) afirma que ver Ash realizando o sonho de se tornar “Mestre Pokémon” o faz lembrar de seu momento de vida agora.

“Acho que eu tinha cerca de oito ou nove anos quando comecei a assistir, e é praticamente o paralelo da minha vida agora”, diz ele.

“Acho que muitos jovens serão capazes de se identificar com isso.”

“Do ponto de vista do programa, é um encerramento maravilhoso para o arco narrativo do personagem. Fecha um ciclo completo para todas as pessoas que assistem ao desenho desde o início”, avalia.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=OfzC36k1gjo

https://www.youtube.com/watch?v=i69_0QTigOU

https://www.youtube.com/watch?v=upkhZui15nk

Escrito por: Michael Baggs - Newsbeat

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.