"Não temos qualquer informação. Eu tenho estado no comando quase sempre. A única coisa que me disseram foi que ele havia sido transferido do posto policial para uma base militar em Mueda", disse à Lusa Abubacar Artur, o pai de Amade Abubacar,.

Amade Abubacar, jornalista da rádio comunitária Nacedje, foi detido no sábado no terminal dos transportes de passageiros do distrito de Macomia, quando fotografava famílias que abandonavam a região com receio de ataques armados que têm sido protagonizados por desconhecidos.

De acordo com Abubacar Artur, o Comando Distrital de Macomia, onde o jornalista esteve detido por perto de 30 minutos até ser transferido para uma base militar, não avança as causas da detenção do jornalista moçambicano, limitando-se a dizer que "o assunto está noutro nível".

"Eu já não sei que devo fazer", lamentou o pai de Amade Abubacar, acrescentando que a família do jornalista não está em condições de pagar a um advogado.

Segundo a mesma fonte, Amade Abubacar "foi sempre uma pessoa comportada e dedicado ao seu trabalho".

A Lusa voltou a contactar com o porta-voz da Polícia moçambicana em Cabo Delgado, Augusto Guta, que se recusou a fazer comentários.

Amade Abubacar foi detido por cinco agentes da polícia, que também apreenderam o telemóvel do jornalista.

Este é o segundo caso de detenções de jornalistas na província de Cabo Delgado nos últimos dois meses. Em dezembro, o Instituto de Comunicação Social da África Austral denunciou a detenção pelo exército moçambicano de três jornalistas estrangeiros e um moçambicano a caminho do distrito de Palma, norte de Moçambique.

Distritos recônditos da província de Cabo Delgado, no extremo nordeste do país, têm sido alvo de ataques de grupos desconhecidos desde outubro de 2017.

A onda de violência naquela zona começou após um ataque armado a postos de polícia de Mocímboa da Praia, em outubro de 2017.

Depois de Mocímboa da Praia, têm ocorrido dezenas de ataques que se suspeita estarem relacionados com o mesmo tipo de grupo.

De acordo com números oficiais, cerca de 100 pessoas, entre residentes, supostos agressores e elementos das forças de segurança, morreram desde que a onda de violência começou naquela zona do país.