O aparecimento de ossos de centenas de pessoas em um lago na Cordilheira do Himalaia tem sido há décadas alvo de inúmeras teorias.

Seriam os restos mortais de um exército? Viajantes surpreendidos por uma tempestade? Peregrinos punidos por uma deusa?

Um novo estudo afasta quase todas as hipóteses existentes, mas, em vez de esclarecer o mistério, o complica ainda mais.

O Lago Roopkund, conhecido popularmente como Lago dos Esqueletos, fica 5.029 metros acima do nível do mar, no Estado de Uttarakhand, na Índia. É um pequeno corpo d’água de 40 metros de diâmetro localizado na rota do festival de peregrinos Nanda Devi Raj Jat, realizado a cada 12 anos.

Em 1942, um guarda florestal que trabalhava na área fez uma descoberta macabra: o degelo havia exposto os ossos de 500 a 600 pessoas.

Explicações para as causas das mortes e como os ossos chegaram a um lugar tão remoto se multiplicaram desde então.

Foi dito que eram soldados japoneses invasores. Um exército indiano retornando da guerra. Um rei e uma rainha com seu cortejo que, em sua celebração, irritaram a deusa da montanha Nanda Devi e foram fulminados por ela. Ou viajantes que ficaram presos por uma tempestade de granizo por volta do século 9.

Uma equipe internacional formada por arqueólogos, geneticistas e outros especialistas da Índia, dos Estados Unidos e da Europa assumiu a tarefa de desvendar o mistério e publicou nesta semana suas descobertas na revista científica Nature Communications.

Pesquisa identificou que há ossos de três grupos diferentes no local

Lago Roopkund, no Himalaia
O lago glacial Roopkund está a mais de 5 mil metros acima do nível do mar créditos: ATISH WAGHWASE/Nature Communications

Até agora, os esqueletos não haviam sido submetidos a um exame tão abrangente devido à sua localização – avalanches ou deslizamentos ocorrem com frequência na área.

Peregrinos e curiosos que passam por ali às vezes manipulam os restos mortais.

Do ponto de vista científico, a única vantagem de estarem ali é o ambiente frio, que preserva não apenas os ossos, mas também o DNA neles e até mesmo em alguns restos de roupas e carne.

Os pesquisadores dataram e analisaram os ossos de 38 pessoas e determinaram que a maioria morreu há cerca de mil anos, mas não simultaneamente – algumas haviam morrido mais recentemente, no início do século 19.

Mapa da área do Lago Roopkund
O lago está na rota do festival de peregrinos Nanda Devi Raj Jat créditos: Nature Communications

Os autores separaram as ossadas em três grupos, de acordo com sua origem: um formado por 23 indivíduos do sul da Ásia, outro composto por 14 indivíduos com ligações ao Mediterrâneo oriental, especificamente Grécia e Creta, e um indivíduo do Sudeste Asiático.

Todos os restos do sul da Ásia datam de cerca do ano 800, embora não tenham chegado ali ao mesmo tempo. Os ossos de origem mediterrânea indicam que estas pessoas eram do início do século 19, assim como a pessoa do sudeste da Ásia.

A equipe também encontrou diferenças entre o perfil alimentar dos dois primeiros grupos. O estudo indica que os indivíduos eram saudáveis ​​em geral.

Alguns eram robustos e altos e outros, menores – o que confirma que os restos são de pelo menos dois grupos distintos.

A equipe não detectou parentesco (de terceiro grau ou mais próximo) entre os indivíduos, o que também descarta a versão de que os esqueletos pertenciam a grupos familiares.

Assim, os resultados refutam as teorias anteriores de que a origem dos esqueletos se deve a um único evento catastrófico.

O que aconteceu então?

Montanha Nanda Devi, no Himalaya
O estudo lança uma luz sobre a origem dos ossos nas proximidades do Lago Roopkund, mas não esclarece o mistério créditos: Getty Images

A análise do DNA revelou uma proporção equilibrada entre homens e mulheres, um fato difícil de conciliar com a teoria de que esses indivíduos poderiam fazer parte de uma expedição militar.

“Também não achamos evidências de que estavam infectados com patógenos bacterianos, então, a teoria de que morreram de uma epidemia não se sustentaria, embora que não encontrar evidências de DNA patogênico em ossos grandes pode simplesmente significar que sua concentração é muito baixa para ser detectada”, escrevem os autores.

Os pesquisadores não conseguiram dar uma resposta clara para a origem dos ossos. Em seu estudo, apontam que a hipótese de morte em massa durante um festival de peregrinação é viável, pelo menos para os indivíduos do sul da Ásia.

Nanda Devi, montanha no Estado de Uttarakhand, Índia
Na área onde o lago está, deslizamentos de rochas ou avalanches são frequentes créditos: Reuters

“Mas o segundo grupo é mais perturbador. É tentador teorizar que eles vêm de populações indo-gregas da linhagem de Alexandre, o Grande. No entanto, isso é improvável, já que tal grupo deveria ter uma mistura mais típica do sul da Ásia”, dizem os cientistas.

Como os indivíduos deste grupo morreram em séculos mais recentes, argumentam os autores do estudo, seria interessante para futuras pesquisas analisar os arquivos da época para determinar se houve relatos de grandes grupos de viajantes estrangeiros mortos na região.

De qualquer forma, saber que os ossos vieram de lugares inesperados ou desmantelar teorias anteriores não resolve o mistério fundamental: como os restos mortais de centenas de pessoas foram parar em um remoto lago de montanha na Índia?


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=uflBBRUJCfk

https://www.youtube.com/watch?v=-TgHhYCrbRI

https://www.youtube.com/watch?v=t0WiAn_TIkI&t=14s

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.