As 14 estações vão juntar-se a outras 11 que a empresa montou em Moçambique, num projecto-piloto desenvolvido em parceria com o INAM, desde 2014, referiu o diretor de Desenvolvimento de Negócios Internacionais da Earth Networks, Ari Davidov, falando durante a assinatura do memorando.

"Esta é sem dúvida a concretização de uma plataforma de informação meteorológica em Moçambique, com diversas partes interessadas e múltiplos utilizadores, concebida para ser autossustentável a longo prazo", afirmou Ari Davidov.

As estações terão capacidade para prever e alertar sobre a ocorrência de tempestades e raios, bem como fazer observação e monitorização das condições atmosféricas.

"Em 2017, a rede meteorológica da Earth Networks detetou mais de 9,6 milhões de descargas [elétricas] das nuvens em Moçambique", assinalou o diretor de Desenvolvimento de Negócios Internacionais da Earth Networks.

Por seu turno, o diretor-geral do INAM, Adérito Aramuge, afirmou que o sistema meteorológico do país enfrenta carências tecnológicas na previsão de eventos atmosféricos severos, o que tem resultado na perda de vidas e destruição de património.

"Alertar o público para a aproximação de condições severas foi sempre um desafio devido à dimensão do país e conjugado com a vulnerabilidade climática de Moçambique", declarou Adérito Aramuge.

A parceria com a Earth Networks, prosseguiu, vai dotar o INAM de um sistema de aviso prévio de trovoadas perigosas, ventos fortes e tempestades.

A Earth Networks foi fundada em 1993 e controla uma rede de 10 mil estações em todo o mundo, com dados que são atualizados em tempo real.