Adriano Maleiane advogou a opção do executivo moçambicano, falando na conferência “Construindo resiliência para um crescimento de longo prazo”, organizada hoje pela revista britânica Financial Times (FT).

“A nossa estratégia assenta em implementar uma austeridade sem reduzir o investimento nas áreas socais, para não prejudicar a população”, afirmou Maleiane.

Nesse sentido, o governo tem apostado em alocar 60% do Orçamento do Estado à saúde, educação, abastecimento de água e saneamento.

O ministro da Economia e Finanças afirmou que o esforço de consolidação fiscal que as autoridades moçambicanas têm seguido desde 2016 permitiu que o rácio da despesa sobre o Produto Interno Bruto (PIB) baixasse de 40% para 33% estimados até ao final deste ano.

Por outro lado, o foco passa por melhorar a eficiência da administração fiscal para alargar a base tributária e aumentar as receitas do Estado.

"Se o processo de pagamento de impostos for simplificado, será possível trazer mais contribuintes e é o que temos feito", destacou Adriano Maleiane.

PMA // PJA

Lusa/Fim

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.