No total, 14 casos foram detetados na província de Cabo Delgado: 11 na capital provincial, Pemba, e três no distrito de Mecúfi, anunciou Anastácia Lidimba, diretora provincial de Saúde na quinta-feira.

Os dois locais não foram diretamente atingidos pelo ciclone, mas foram dos que mais sofreram com as chuvas intensas e as inundações que se seguiram, sendo que a cólera (uma doença tratável) se propaga através de água e alimentos contaminados.

As autoridades já tinham anunciado na segunda-feira a reabertura do centro de tratamento de cólera, recinto habitualmente instalado no pátio central do Hospital de Pemba, antecipando o eclodir de um surto.

Foi também anunciado que estavam a decorrer contactos com parceiros para iniciar uma campanha de vacinação a administrar nos distritos de Pemba, Mecúfi, Ibo Quissanga e Macomia.

O surto de cólera que surgiu após o ciclone Idai, em março, no centro do país, infetou cerca de 4.000 pessoas e provocou oito mortes, sendo que uma campanha de vacinação imunizou 900.000 pessoas.

O ciclone Kenneth foi o primeiro a atingir o norte de Moçambique, a 24 de abril, e foi classificado com um grau de destruição de categoria quatro (numa escala de um a cinco, do mais fraco ao mais forte).

A tempestade matou 41 pessoas, segundo o levantamento provisório das autoridades, e afetou cerca de 166.000 pessoas.

Moçambique foi pela primeira vez atingido por dois ciclones na mesma época chuvosa (de novembro a abril), depois de o ciclone Idai, de categoria três, ter provocado 603 mortos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.