"Os ciclones que afectaram Moçambique em Março e Abril provam que as alterações climáticas estão a ter cada vez mais impacto na vida das populações e que esses impactos são cada vez mais severos", pelo que "há que conciliar a agenda de resposta humanitária com a criação de resiliência das populações face a estes desastres naturais", referiu António Vitorino.

O líder daquela agência da Organização das Nações Unidas (ONU) falava hoje em Maputo, durante uma vista a Moçambique, para se inteirar do apoio prestado a deslocados na sequência dos ciclones do início do ano.

António Vitorino destacou o papel dos próximos encontros a promover pela ONU, nomeadamente, a Cimeira do Clima, convocada pelo secretário-geral António Guterres, para 23 de Setembro, em Nova Iorque.

"Acho que a cimeira vai ter um papel importante ao chamar a atenção para um fenómeno global, que afeita todo o mundo de igual forma, mas não de igual modo", sublinhou.

Para o director-geral da OIM, "todo o mundo está confrontado com um desafio colectivo de evitar a degradação das condições ambientais e evitar que as alterações climáticas produzam resultados muito negativos".

A par da Assembleia Geral da ONU, em Setembro, a cimeira servirá também "para pôr o foco específico nos impactos que as alterações climáticas têm nas migrações e na mobilidade das pessoas", seja por causa da subida do nível do mar, secas persistentes ou cheias, exemplificou.

O ciclone Idai, que atingiu o centro de Moçambique em Marco, provocou 604 mortos e afectou cerca de 1,5 milhões de pessoas.

O ciclone Kenneth, que se abateu sobre o norte do país em Abril, matou 45 pessoas e afectou 250.000 pessoas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.