Dissera ele que a origem do nosso nome remonta de factos nunca antes registados e que #MONDLANE não é, como se pensa, o princípio da saga.

Segundo ele, se não me falha a memória, há muito, muito tempo, viviam numa localidade, algures na província de Gaza, os Cambane, filhos dos Dzovo, primos dos Macuácua. Era um povo humilde, solidário e muito acolhedor.

Tamanha era a bondade daquele povo, que todos os sedentos e desamparados, incluindo os guerrilheiros das guerras características da época, dirigiam-se para lá em busca de refúgio.

O local passou a ser conhecido como a Aldeia dos Mandla ya Kahlê (do changana, que traduzido para a língua portuguesa significa "mãos boas") está aqui patente a origem do nome Manjacaze, um distrito da província de Gaza, também conhecido como Mandlakazi.

Explicou-me o meu querido irmão, que esta mudança foi meramente influenciada pela evolução da linguagem, que viria a influenciar igualmente a maneira como somos chamados hoje, nós os MONDLANE.

Ora, os Cambane, da Aldeia dos Mandla ya Kahlê (Manjacaze) ou, se prefirirem, Mãos Boas, foram apelidados MA-UNDLANA (que traduzido do changana para a língua portugesa, siginifica Os Criadores). O facto resultara do acolhimento a diversos migrantes, que por longos anos mantiveram-se refugiados em Mandla ya Kahlê, onde consequentemente viram os seus filhos serem educados segundo as normas do novo lar.

Mais uma vez, a língua viria a impôr mudanças. É que, com o andar da carruagem, os MA-UNDLANA começaram a ser chamados Mondlane. Porquê? Para explicar, desafio o leitor a fazer o mesmo exercício que me desafiara a fazer o meu irmão Acacio: "Recite a palavra Ma-Undlana 10 vezes consecutivas e muito rápido" - qual foi o resultado? #Shortcut (risos)

O nome MONDLANE viria a ser chamado por muitos anos, sem quaisquer problemas, até que se decidiu arquitectar a Unidade Nacional.

Vamos à política?

Sim. Um tal de Eduardinho (entenda-se a forma carinhosa de tratamento - pode ser meu avô) o Chivambo, concluiu que estava na hora de passar a administração de Moçambique, que na altura era uma colónia de Portugal, aos moçambicanos e que para tal seria necessário que o povo se posicionasse e mantivesse Uno e Indivisível.

As suas ideias foram acolhidas com agrado por todos, excepto, obviamente, pelos colonialistas portugueses.

Daí que fora desencadeada uma forte perseguição contra Eduardo Chivambo Mondlane, Arquitecto da Unidade Nacional e primeiro Presidente da FRELIMO, Frente de Libertação de Moçambique.

Nesta perseguição, foram afectados todos os Mondlane, que começaram a ter as suas vidas inviabilizadas, vendo-se obrigados a remover o apelido dos respectivos nomes, ou a encontrar alternativas para manter a marca da família. Monjane foi uma das alternativas, entre tantas outras encontradas.

PS1: Sobre a autenticidade desta história, nada posso garantir. Mas devo dizer que me lisonjea o facto de poder responder, quando eventualmente sou questionado sobre a minha origem. Para já, aguardo a publicação do livro do jornalista Jorge Dick Saene. O também Antigo Combatente da Luta de Libertação Nacional está a desenvolver uma pesquisa sobre a origem dos MONDLANE.

PS2: Voltando à questão inicial, considerando a estória acabada de narrar, MONJANE ou MONDLANE... como devo registar os meus filhos?

Cordiais saudações de

António Monjane

Os artigos de opinião publicados no SAPO Notícias são da inteira responsabilidade do seu autor. O SAPO não se responsabiliza por quaisquer danos morais ou intelectuais dos textos em causa, confiando no rigor, idoneidade e credibilidade dos seus autores.