Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average ganhou 1,52%, para os 24.575,90 pontos.

Mais fortes foram os avanços do tecnológico Nasdaq, de 2,08%, para as 9.375,78 unidades, e do alargado S&P500, de 1,67%, para as 2.971,61.

Entre os valores emblemáticos desta praça financeira, as tecnológicas Facebook e Amazon atingiram ontem cotações recordes, depois de valorizarem respetivamente 6,04%, para 229,97 dólares, e 1,98%, para os 2.497,94 dólares, superando os máximos registados no início do ano.

Depois de ter começado a semana em alta, na segunda-feira, com sinais encorajadores sobre o desenvolvimento de uma possível vacina contra o novo coronavírus, Wall Street desceu na terça-feira, para voltar a subir ontem.

“Está a ser uma semana de altos e baixos”, resumiu Art Hogan, da National.

Se os investidores tinham aceitado com mais precaução na terça-feira os resultados preliminares dos testes para uma vacina experimental contra o coronavírus desenvolvido pela empresa norte-americana de biotecnologia Moderna, ontem foi a esperança com a recuperação da economia norte-americana que pareceu predominar.

Por outro lado, durante a sessão, a Reserva Federal (Fed) publicou as minutas da última reunião do seu comité de política monetária, em abril.

Aí está patente a preocupação da Fed com a destruição de certos setores de atividade, se continuarem abandonados pelos clientes, apesar da redução de medidas de confinamento em vários estados norte-americanos.

A pandemia faz pesar sobre a economia numerosos riscos de médio e longo prazos, realçaram também os membros do comité (FOMC, na sigla em inglês).

Para Hogan, a abordagem do presidente da Fed, Jerome Powell, tem sido “coerente e sistémica” desde o início da crise ligada ao novo coronavírus.

“Não tem parado de dizer que à Fed não faltam munições e que continuaria a seguir uma política monetária agressiva para compensar os efeitos da pandemia”, especificou Hogan.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.