Sob o lema “Pulse of the Gas Value Chain in Mozambique”, o primeiro webinar contou com a participação do Director do Sector de Petróleo e Gás do Absa Bank Moçambique, Hermano Juvane e o Presidente da Aberdeen International Associates, Gordon McIntosh, num debate moderado pelo Chief of Staff do Absa Bank Moçambique, Ernesto Gove Jr.

No evento, foi avaliado o impacto da Covid-19 na indústria de petróleo e gás, com o Presidente da Aberdeen a considerar o papel preponderante da comunicação, neste momento em que a cadeia de abastecimento no mundo inteiro está sob pressão, obrigando os principais actores da indústria a encontrarem formas de adaptar-se a um “novo normal”.

Para Gordon McIntosh, apesar de a Covid-19 estar actualmente a representar um grande desafio, trará também oportunidades para alguns fornecedores, em momentos de contracção, que estarão a olhar para locais como Moçambique.

“Estou bastante confiante de que os projectos de gás em Moçambique vão para frente. A cadeia de abastecimento internacional procurará vir para Moçambique, mas é necessário que haja uma forma de igualar uma cadeia de abastecimento no país e as jovens empresas que procuram entrar no sector de petróleo e gás com uma cadeia de abastecimento internacional”, aconselhou.

Segundo McIntosh, com a situação da Covid, as empresas irão deparar-se com medidas preventivas relativamente ao local de trabalho, restrições de viagens e redução da procura global, pelo que o governo e as partes interessadas devem priorizar, em primeiro lugar, um sistema rigoroso e transparente de ordenamento do território e um plano estratégico de investimento em infra-estruturas.

“Em segundo lugar, a estratégia económica e o plano de entrega, em que nos centraríamos no desenvolvimento do capital humano, através da educação e da formação e também da já mencionada cadeia de abastecimento local e, em terceiro lugar, um plano de investimento interno, que se concentraria em investidores internacionais e empresas não residentes em Moçambique, visto que algumas delas são necessárias para ajudar na execução do projecto” enumerou, ressalvando que o país deve procurar um potencial de joint-ventures com empresas locais.

Por seu turno, o Director do Sector do Petróleo e Gás, Hermano Juvane, considera que o sucesso da cadeia de valor da exploração do Gás Natural Liquefeito em Moçambique depende da adopção de uma estratégia de localização adequada e do desenvolvimento do conteúdo local, com contratos justos e que beneficiem a economia de forma holística.

“Olhando para o contexto de Moçambique, há muito debate em torno de entidades locais serem classificadas como entidades que são maioritariamente detidas por moçambicanos, que seriam também accionistas individuais, e há também objectivos em termos de metas de empregabilidade. Para além da negociação do contrato, a transparência e a avaliação são muito importantes. Não é suficiente negociar os contratos e publicá-los”, observou.

Segundo Juvane, a observação destes elementos conduzirá a um desenvolvimento sustentável em toda a economia, evitando assim a imprecação dos recursos.

“A imprecação dos recursos, em poucas palavras, é quando existe uma grande dependência dos recursos naturais ou do sector extractivo. Assim, no contexto moçambicano, significaria uma dependência demasiado elevada do sector do gás para a contribuição das receitas governamentais, para a contribuição das exportações e também para a contribuição global do PIB. Isso significa que se houver algum choque no sector do petróleo e gás, terá um imenso impacto em todo o desenvolvimento económico de Moçambique” realçou.

Este evento visou, entre outros objectivos, fornecer informações sobre o mercado de Petróleo e Gás a possíveis Clientes e Fornecedores do sector; destacar o impacto da Covid-19, especificamente nos projectos locais de LNG e debater sobre possíveis riscos para os fornecedores locais e estrangeiros da cadeia de valor.

O evento pretendeu, igualmente, elevar o nível de preparação de Moçambique para fazer face aos desafios que o mundo enfrenta na indústria extractiva, dada a novidade do sector no país, sendo crucial abordar todos os riscos da cadeia de suprimentos, que são importantes na determinação do sucesso dos projectos da área.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.