"Decidi que a melhor opção é abandonar o cargo de presidente do Swedbank imediatamente", afirmou em comunicado Lars Idemark, que será substituído pela vice-presidente, Ulrika Francke.

Em fevereiro foi revelado na televisão pública sueca (SVT) que cinquenta clientes do Swedbank fizeram transações suspeitas num valor total a rondar os quatro mil milhões de euros nos países bálticos entre 2007 e 2015 para contas do Danske Bank, o maior banco Dinamarquês, no centro deste escândalo financeiro.

As autoridades da Estónia e dos EUA abriram investigações sobre a legalidade das transações suspeitas.

O Swedbank tem 7,3 milhões de clientes privados e 600.000 clientes corporativos, principalmente na Suécia e nos países bálticos, embora também esteja presente na Dinamarca, na Noruega e nos Estados Unidos.

Este banco sueco obteve um lucro operacional de 2.550 milhões de euros no ano passado.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.