"A AMT tem já assegurado um financiamento misto de cerca de 3,5 milhões de dólares norte-americanos", disse Carlos Mesquita, ministro dos Transportes e Comunicações, citado hoje em comunicado.

O projeto resulta de um memorando de entendimento entre a AMT e atores do setor privado para promover o uso do gás natural veicular.

Os meios vão permitir abertura de novas rotas da área metropolitana nas cidades da Matola e Maputo, além de Boane, Namaacha, Marracuene, Bobole, Manhiça e Magude, todas na província de Maputo.

Além de flexibilizar a mobilidade urbana, espera-se que com os novos veículos haja uma redução na emissão de gases tóxicos de cerca 10.500 toneladas por ano.

"O desempenho da AMT é positivo. Os resultados de 2019 mostram que as metas foram alcançadas. O Governo vai continuar a acarinhar este tipo de iniciativas", frisou o governante.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.