"A contratação do consultor deverá decorrer este ano, por forma a imprimir celeridade no processo de contratação do parceiro estratégico para o desenvolvimento do empreendimento, acrescentou a mesma fonte, que solicitou o anonimato.

O período de recepção e abertura de propostas das nove empresas pré-qualificadas para prestação de serviços de consultoria terminou a 01 de Agosto.

As nove concorrentes resultam de um concurso público em que 18 entidades manifestaram interesse.

"O concurso obedece a boas práticas, regras e procedimentos de ‘procurement’ internacional, para assegurar transparência, competitividade e credibilidade ao processo, adiantou a fonte.

A entidade selecionada trabalhará com o Gabinete de Implementação do Projeto Hidroelétrico de Mpanda Nkuwa, em todo o processo de resolução de aspetos pendentes.

A empresa a ser selecionada deverá, ainda, prestar assessoria de toda a natureza, atualização dos estudos técnicos identificados como críticos e para a seleção do parceiro estratégico que se deverá juntar à Eletricidade de Moçambique (EDM) e Hidroelétrica de Cahora Bassa (HCB) no desenvolvimento das infraestruturas do projeto.

Espera-se que o projeto possa criar, no decurso da sua implementação, milhares de empregos, quer diretos quer indiretos e representa um forte estímulo para o empresariado nacional industrial, comercial, agrícola e de prestação de serviços.

O plano de construção de Mphanda Nkuwa foi aprovado em setembro de 2007, passando desde então por várias parcerias, mas sem nunca se concretizar o projeto.

O Presidente da República Filipe Nyusi anunciou no dia 22 de agosto de 2018 que a empresa EDM e a HCB estão encarregues de revitalizar o projeto da barragem de Mphanda Nkuwa e da linha.

O empreendimento está avaliado em 2,3 mil milhões de dólares (1,9 mil milhões de euros).

Espera-se que produza 1.500 megawatts de energia elétrica, dos quais 80 poderão ser para exportação.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.