Adriano Maleiane, citado hoje pelo diário Notícias, afirmou que a melhoria do equilíbrio das contas públicas tem sido alcançada através do aumento da arrecadação de receitas, racionalização da despesa pública e reforma do setor empresarial do Estado.

"Como resultado das medidas de consolidação fiscal, o défice orçamental passou de 9,7% do PIB, em 2016, para uma previsão de 8,9% em 2019", declarou Adriano Maleiane.

Apesar de o executivo ter sido obrigado a orçamentos mais restritivos nos últimos anos, a aposta mantém-se na canalização de mais recursos para as áreas sociais, nomeadamente saúde e educação, afirmou.

"Não obstante o caráter restritivo do orçamento, continuamos a priorizar a afetação de recursos para os setores económicos e sociais em mais de 60% da despesa total", frisou o ministro da Economia e Finanças.

Adriano Maleiane apontou a construção de mais salas de aula, mais unidades de saúde, estradas e fomento da comercialização agrícola como medidas essenciais à redução da pobreza.

Num balanço do desempenho macroeconómico dos últimos quatro anos, Adriano Maleiane destacou que a inflação média anual atingiu 10,6% e o PIB registou um crescimento médio de 4,4%.

O volume médio das exportações atingiu 15,3 mil milhões de dólares a importações 22,1 mil milhões de dólares, entre 2015 e 2018.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.