Moçambique far-se-á representar pelo ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, e o governador do Banco Central, Rogério Zandamela.

Para o presente ano, o principal tema das reuniões é 'Conhecendo Aspirações e Desafios Globais'.

Um comunicado de imprensa do Ministério da Economia e Finanças recebido pela AIM diz que a agenda de trabalho inclui um encontro com os assessores do governo para questões financeiras e jurídicas, para se saber sobre o progresso das negociações com os credores das dívidas não declaradas e com garantias do Estado.

As dívidas foram contraídas pelas empresas moçambicanas, nomeadamente a Empresa Moçambicana do Atum (EMATUM), Proindicus e Mozambique Assets Management (MAM) no período compreendido entre 2013 e 2014.

As dívidas são parte de um pacote de cerca de 2 mil milhões de dólares de empréstimos concedidos às três empresas, directamente pelos bancos europeus Credit Suisse e VTB da Rússia.

No entanto, o comunicado afirma que a delegação moçambicana será igualmente recebida pelo vice-presidente do Banco Mundial para a Região de África, parceiro importante no financiamento ao desenvolvimento do país.

As sessões, segundo a fonte, deverão enfatizar a importância de investir no capital humano e construir resiliência, bem como discutir o papel da inovação e parcerias, inclusive com ambos sectores, público e privado, para liberar oportunidades e ajudar os países a realizarem o seu potencial.

A nota sublinha ainda que estão previstos encontros entre o governo moçambicano com o Departamento Africano do FMI e o Banco Mundial, para passar em revista os programas de assistência técnica para Moçambique.

A fonte afirma ainda que o Executivo deverá manter encontro com o director executivo do Grupo Africano Área 1, de que o país faz parte no FMI. Este encontro deverá abordar o progresso das reformas estruturais em curso no país e com o Departamento Fiscal do FMI, para avaliar o programa de assistência técnica, particularmente para o fortalecimento da gestão dos riscos fiscais.

A nota termina afirmando que a reunião surge “na sequência da reunião de Londres nos dias 20 e 21 de Março último”.