O Presidente da República, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Ossufo Momade, assinaram ontem o acordo de cessação das hostilidades no Parque Nacional da Gorongosa, província de Sofala, centro do país, para acabar, formalmente, os confrontos entre as forças governamentais e o braço armado do principal partido da oposição.

Em declarações ao canal público Televisão de Moçambique (TVM), Greg Carr, que tem investido milhões de dólares na restauração do Parque Nacional da Gorongosa, após anos de devastação pela guerra civil, congratulou-se com o acordo, destacando o impacto na dinamização da economia, em particular do turismo na região.

"O turismo traz dinheiro, traz recursos, cria oportunidades de emprego e desenvolvimento económico", disse Greg Carr.

Uma paz duradoura vai permitir que o Parque Nacional da Gorongosa intensifique a sua actividade na conservação e preservação do ecossistema, mas também em acções de responsabilidade social na agricultura, educação e saúde, acrescentou o filantropo norte-americano.

"Queremos trabalhar muito mais rápido nas várias áreas em que intervimos, quer na componente da conservação, quer na dimensão social", assegurou Greg Carr.

Segundo o seu ‘site’ na internet, este parque “é talvez a maior história de restauração da vida selvagem em África”.

Em 2008, foi estabelecida uma parceria público-privada de 20 anos para a gestão conjunta do parque “entre o Governo de Moçambique e a Fundação Carr (Projecto de Restauração da Gorongosa), uma organização dos EUA sem fins lucrativos”, refere a mesma fonte.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.