Segundo a agência financeira Bloomberg, Andrew Pearse, de 49 anos, antigo diretor-geral da instituição financeira suíça, admitiu a culpa no processo de fraude num tribunal federal em Brooklyn, Nova Iorque. O ex-banqueiro do Credit Suisse afirmou ter recebido milhões de dólares no âmbito de um esquema que envolveu 2 mil milhões de dólares (1.781 milhões de euros) em empréstimos a empresas estatais moçambicanas.

Não ficou claro se Pearse está ou não a cooperar com as autoridades norte-americanas. A sua confissão e outros relatos sobre o esquema estão agora sob sigilo. A sua advogada, Lisa Cahill, e Mark Bini, um procurador federal, rejeitaram comentar o assunto no final da audiência.

Pearse é o segundo gestor do banco Credit Suisse a assumir a culpa no processo de fraude e de esquema de lavagem de dinheiro. Detelina Subeva, ex-vice-presidente da unidade financeira global da instituição, tinha confessado em maio o seu envolvimento numa conspiração de 'lavagem' de fundos. A porta-voz do Credit Suisse, Karina Byrne, escusou-se a comentar o caso.

Pearse identifica ProIndicus, MAM e EMATUM

De acordo com a Bloomberg, Pearse, que enfrenta até 20 anos de cadeia, admitiu ter ajudado a arranjar empréstimos bancários a três empresas detidas e controladas pelo Governo moçambicano e ter recebido milhões de dólares em troca.

O ex-banqueiro identificou as empresas envolvidas: Proindicus SA, Moçambicana de Atum SA, ou Ematum, e Mozambique Asset Management (MAM), refere a Bloomberg.

A ProIndicus deveria realizar vigilância costeira, a EMATUM participava na pesca do atum e a MAM visava a construção e manutenção de estaleiros, segundo os procuradores.

O ex-ministro das Finanças moçambicano Manuel Chang, três ex-banqueiros do Credit Suisse e um mediador da Privinvest foram detidos em dezembro a pedido da justiça norte-americana.

A investigação alega que a operação de financiamento de 2,2 mil milhões de dólares (1,97 mil milhões de euros) para criar as empresas públicas moçambicanas durante o mandato do Presidente Armando Guebuza é um vasto caso de corrupção e branqueamento de capitais.

Em fevereiro, foram detidas várias pessoas pela justiça moçambicana - entre as quais próximos do ex-chefe de Estado moçambicano - que tinha o caso aberto desde 2015, mas sem nenhuma detenção.

O país viu cortada a ajuda externa em 2016 depois de reveladas as dívidas.

O Produto Interno Bruto (PIB) do país está à beira de crescer com o início da exploração de gás natural ao largo da costa Norte (bacia do Rovuma) em 2022 e essas receitas têm sido apontadas como uma solução para pagar a parte dos credores.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.