“Entendemos que existem benefícios, tanto para a economia portuguesa, como para as economias de Angola e Moçambique no estreitamento destas relações com a China, que é um grande cliente, é um grande mercado”, afirmou à Lusa João Nuno Palma, à margem de um encontro de empresários que decorre em Lisboa.

O BCP assinou hoje um protocolo com o Bank of China Macau que faz parte da estratégia para reforçar a presença no mercado chinês através de Macau, região que é vista como uma “plataforma de canalização de investimento chinês” para os países de língua portuguesa.

O objetivo do protocolo é suportar os negócios entre Macau e as regiões de Língua Portuguesa, adiantou o responsável do Banco, acrescentando que Portugal tem grande capacidade técnica em áreas como construção, energia e telecomunicações e que este apoio pode alavancar projetos em Angola e Moçambique em parceria com empresas chinesas.

“Damos muita importância às relações entre estes países e a China numa perspetiva de negócio 'cross border'”, destacou João Nuno Palma.

O vice-presidente do BCP considerou também que o acordo de dupla tributação entre Portugal e Macau, hoje assinado no Encontro do Empresários para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, em Lisboa, “é muito importante para as empresas portuguesas que queiram estabelecer-se [na região] e que queiram ter parcerias com empresas chinesas para investir em países de língua oficial portuguesa”.

A principal acionista do BCP é a chinesa FOSUN, que detém 27% do capital.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.