O dia até parecia começar mal para o já campeão de MotoGP, penalizado em seis posições na grelha por ter interferido numa volta rápida do italiano Andrea Iannone (Suzuki) na sessão de qualificação de sábado. Mas Márquez, no seu estilo agressivo, foi conquistando posições a pulso, chegando a assustar Iannone com uma derrapagem, que terminou com o piloto da Suzuki no chão.

Enquanto Márquez abria caminho pelo meio do pelotão, Valentino Rossi mandava na corrida, liderando desde o arranque, o que tem sido pouco visto na carreira do nove vezes campeão mundial, habituado a más partidas.

Rossi encabeçou o pelotão durante 16 voltas, aguentando o ritmo dos perseguidores e cavando uma vantagem que chegou a ser de 1,247 segundos para Marc Márquez na 12.ª das 20 voltas previstas. Nessa altura, o espanhol sofria com os pneus. “O pneu da frente sobreaqueceu, causando-me muitas dificuldades. Mas depois consegui recuperar”, explicou o pentacampeão.

Quando se antevia um duelo intenso entre dois dos maiores rivais da história do campeonato, Valentino Rossi perdeu o controlo da traseira da sua Yamaha M1 e deslizou pelo asfalto da curva 1 do circuito até à escapatória. Perdeu 50 segundos e a possibilidade de ainda ser vice-campeão mundial, ao terminar em 18.º, fora dos pontos.

O estado de forma do piloto de 39 anos valeu mesmo o reconhecimento do espanhol Jorge Lorenzo, que viu a corrida desde as boxes do circuito de Sepang devido a uma lesão no pulso esquerdo. “Tirando a queda, nunca vi Valentino tão consistente. Foram mais de dez voltas no mesmo décimo de segundo”, escreveu o piloto balear no twitter.

A partir dessa 16.ª volta, o vencedor estava encontrado. Márquez pôde finalmente respirar e celebrar a 70.ª vitória da sua carreira, 44.ª na classe rainha.

O piloto da Honda está agora a 20 do recorde espanhol, estabelecido por Angel Nieto (90 triunfos no Mundial) e a 21 de Valentino Rossi (tem 91 vitórias, a última das quais no ano passado, em Assen, na Holanda).

Marc Márquez, já campeão desde o GP do Japão, deixou o compatriota Alex Rins (Suzuki) a 1,898 segundos e Johann Zarco a 2,474 segundos, e tem agora 101 pontos de vantagem no campeonato sobre o italiano Andrea Dovizioso (Ducati), que garantiu o vice-campeonato do mundo apesar do sexto lugar.

O Mundial de MotoGP encerra dentro de duas semanas, em Valência, Espanha.