“Descobrimos que as violações vinham da África do Sul e encontrámos os militares sul-africanos a 50 metros da linha da fronteira, na parte moçambicana. Os militares sul-africanos usaram a bala para silenciar os nossos colegas”, disse Bernardino Rafael, falando hoje em Maputo nas cerimónias fúnebres de um dos agentes baleados.

De acordo com o comandante-geral da Polícia da República de Moçambique (PRM), os agentes da PRM foram mortos após um desentendimento com militares sul-africanos, que, disse, teriam invadido o território moçambicano.

Os corpos dos dois agentes da polícia moçambicana foram encontrados no domingo na fronteira entre Moçambique e África do Sul, na Ponta do Ouro, na parte moçambicana.

“Constatámos nos últimos dias violações das fronteiras e reforçámos a segurança para apurar o que se passava”, explicou Bernardino Rafael, acrescentando que os militares sul-africanos abriram fogo após confrontos físicos com os agentes da polícia.

“Os nossos membros usaram as técnicas aprendidas e tentaram neutralizar os militares. Foi quando os militares sul-africanos sentiram que não podiam vencer à força os nossos agentes, eles usaram a bala para silenciar os nossos colegas”, reiterou o comandante da polícia moçambicana.

Na segunda-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, José Pacheco, disse que há uma equipa conjunta a investigar o caso, acrescentando que a “ideia é fazer com que este incidente não crie mal-estar nas relações entre Moçambique e África do Sul.

As autoridades sul-africanas vão enviar uma delegação de alto nível a Moçambique para discutir o incidente fronteiriço entre militares sul-africanos e a polícia moçambicana, anunciou hoje um porta-voz militar.

“As nossas tropas, que se encontram a patrulhar as fronteiras, têm no terreno um relacionamento com a polícia de fronteira moçambicana, mas não sabemos se é um incidente isolado e é por isso que o comandante da SANDF [Força Nacional de Defesa da África do Sul] decidiu que devemos enviar [a Maputo] uma delegação de alto nível para se reunir com as autoridades moçambicanas”, disse, em declarações ao canal de televisão sul-africano ENCA, o porta-voz militar Mafi Mgobozi.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.