Segundo a agência de notícias estatal Anadolu, a operação policial foi iniciada simultaneamente na madrugada de hoje em 30 províncias do país.

Como é habitual nestes casos, o Ministério Público considerou estas pessoas suspeitas por ter detetado o uso frequente de cabines telefónicas, alegadamente o método de comunicação preferido dos membros da rede Gülen, para evitar deixar vestígios.

Incursões deste tipo são frequentes desde o fracassado golpe de 2016 e mais de 17.000 militares já foram expulsos das Forças Armadas.

Também polícias e funcionários públicos, como juízes, procuradores, médicos, professores universitários e profissionais do ensino, foram demitidos sempre sob a acusação de fazer parte da rede de Gülen.

Mais de 130.000 funcionários públicos foram demitidos e cerca de 50.000 civis estão detidas.

Gülen foi um fiel aliado do Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) do Presidente Recep Tayyip Erdogan até que ambos se enfrentaram numa dura luta pelo poder em 2013.

As autoridades turcas acusam Gülen de ter fomentado a tentativa de golpe de 2016, mas o religioso nega categoricamente qualquer envolvimento.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.