Aquele órgão judicial, que na Guiné-Bissau tem as competências de tribunal constitucional e eleitoral, tem 14 dias, até 25 de janeiro, para publicar as listas definitivas admitidas para concorrer nas eleições.

A Guiné-Bissau tem 49 partidos políticos legalizados.

Entre os 24 partidos políticos, que apresentaram candidaturas, destacam-se o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Partido da Renovação Social (PRS), União para a Mudança, Partido da Convergência Democrática e Partido da Nova Democracia, todos com assento parlamentar na atual legislatura.

O Madem-G15, grupo de dissidentes que saiu do PAIGC, e a Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau também apresentaram as respetivas candidaturas.

A Guiné-Bissau deveria ter realizado eleições a 18 de novembro de 2018, mas dificuldades técnicas e financeiras obrigaram ao adiamento do recenseamento eleitoral e à marcação de uma nova data para o escrutínio.