O Parlamento da Ucrânia decidirá nesta segunda-feira (26) se vai declarar lei marcial depois de navios russos atirarem contra embarcações do país na costa da Crimeia, região da Ucrânia anexada pela Rússia em 2014.

Para a Ucrânia, o episódio que resultou em tripulantes feridos e capturados foi um “ato de agressão”. Do outro lado, Moscou afirma que os navios haviam “entrado em suas águas ilegalmente”.

O confronto no domingo no mar Negro marca uma nova escalada na tensão entre os dois países.

Essa é a primeira vez que as forças militares dos vizinhos entram em conflito aberto em anos recentes, apesar de as forças ucranianas estarem lutando contra separatistas apoiados por Moscou e “voluntários russos” (que a Rússia nega serem militares) no leste do país.

Como medida de segurança, o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, propôs a decretação de lei marcial durante 30 dias – metade do tempo recomendado pelo conselho de defesa e segurança do país no dia anterior.

Ele disse que a medida não representa uma declaração de guerra, mas o ministro da Defesa ucraniano afirmou ter dado ordem para os militares ficarem em alerta de combate.

As ações russas na região geraram críticas de diversos países ocidentais, e o Conselho de Segurança da ONU deve fazer uma reunião emergencial sobre o tema.

O que aconteceu no domingo?

A marinha ucraniana afirma que seus navios — duas canhoneiras e um rebocador — foram atingidos e neutralizados na tarde de domingo, quando tentavam deixar a área próxima a uma ponte no estreito de Kerch – o único acesso para o mar de Azov.

O Ucrânia diz que 23 tripulantes – entre eles ao menos três feridos – foram capturados pelas forças especiais russas.

Os navios ucranianos na Criméia
Os navios estão agora detidos na região da Criméia créditos: Reuters

O líder militar ucraniano Viktor Muzhenko disse que a guarda costeira da Rússia “atirou para matar” durante o confronto.

Segundo a agência russa de inteligência FSB (antiga KGB), a guarda costeira perseguiu os navios ucranianos e abriu fogo para forçá-los a parar. Afirmou também que três tripulantes ucranianos foram feridos e estão sendo tratados em um hospital na Criméia.

Antes do confronto, a Rússia havia bloqueado a ponte com um navio-tanque, além de ter preparado aviões e helicópteros.

O que levou a isso?

A tensão se agravou na costa da Criméia há alguns meses, depois que a Ucrânia deteve um navio pesqueiro do país vizinho. Em seguida, a Rússia passou a inspecionar as embarcações que saem ou chegam a portos ucranianos por “questões de segurança”. Segundo Moscou, há uma ameaça em potencial à ponte de Kerch por parte de radicais ucranianos.

A Ucrânia acusa a Rússia de tentar ocupar o mar de Azov e prejudicar sua economia negando acesso a dois portos importantes: Berdyansk e Mariupol. Produtos derivados de ferro e aço que saem do segundo porto correspondem a 25% das receitas de exportação do país.

No último confronto, no domingo, a Rússia acusou os navios ucranianos -que tentavam ir do porto de Odessa, no mar Negro, para Mariupol, no de Azov- de entrarem ilegalmente em suas águas. A FSB havia temporariamente fechado a área para cargueiros.

Segundo a Ucrânia, o fechamento é uma violação da legislação internacional, já que o mar Negro é uma área livre para o comércio e a Criméia originalmente pertence ao território ucraniano.

Ativisitas de extrema-direita na Ucrânia pedem por lei marcial
Ativistas de extrema-direita na Ucrânia pedem por lei marcial créditos: AFP

A Ucrânia cita outros dois argumentos para transitar sobre a região. O primeiro é um tratado de 2003 assinado entre os dois países que dava acesso irrestrito para ambos ao estreito de Kerch e ao mar de Azov.

Os ucranianos dizem também que haviam informado os russos com antecedência sobre o plano de mover os navios até Mariupol – a Rússia nega.

O que está acontecendo na Ucrânia?

A situação com os russos e os separatistas tem gerado uma reação violenta na Ucrânia.

No domingo à noite, multidões se reuniram em frente à embaixada russa em Kiev, acendendo sinalizadores. Pelo menos um carro que pertencia à embaixada foi queimado.

Homem tenta apagar fogo em carro pertencente à embaixada russa na Ucrânia
A Rússia afirmou estar "revoltada" com o ataque à sua embaixada créditos: Reuters

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, afirmou que as ações russas foram “não provocadas e malucas” e disse que iria pedir ao parlamento a aprovação de uma lei marcial. Ele já assinou o decreto pedindo a lei marcial ao parlamento.

Em um pronunciamento na TV, o líder ucraniano disse que não queria que a lei marcial afetasse as eleições marcadas para 31 de março do ano que vem. Caso seja aprovada, a medida de exceção entraria em vigor no dia 28 de novembro.

O que a lei marcial significa para o país?

A lei marcial pode dar ao governo o poder de restringir protestos públicos, regular a mídia, suspender eleições e obrigar os cidadãos a realizar tarefas “socialmente necessárias”, como trabalhar em instalações de defesa.

O parlamento da Ucrânia está discutindo o que fazer no momento e deve votar a implementação ou não da lei ainda nesta segunda-feira.

A classe política está rachada sobre a questão. Parte avalia que a situação pode levar ao cancelamento das eleições presidenciais e parlamentares em 2019.

Alguns analistas afirmam que o presidente Poroshenko seria o principal beneficiado disso, já que seus índices de aprovação têm despencado nos últimos meses.

Por que as relações entre os países são tão ruins?

A Ucrânia conquistou a independência depois do colapso da União Soviética em 1991.

A Rússia passou a considerar as inclinações ocidentais do país uma ameaça para seus interesses.

Em 2014, o líder ucraniano pró-Rússia foi derrubado, depois de protestos em larga escala contra a decisão do governo de abandonar planos para fazer um acordo de associação com a União Europeia.

A Rússia então anexou a Criméia, enquanto separatistas apoiados pelo país nas regiões do leste atuaram contra o Estado ucraniano.

A Ucrânia e diversos países ocidentais acusam a Rússia de enviar suas tropas para a região e armar os separatistas.

Moscou nega, mas afirma que “voluntários russos” estão ajudando os rebeldes.

Mais de 10 mil pessoas já foram mortas no conflito no leste.


‘Um equilíbrio difícil’

Por Jonathan Marcus, correspondente para defesa e diplomacia

O incidente no mar Negro é um poderoso lembrete de que as tensões entre a Rússia e a Ucrânia não são parte de uma ‘guerra fria': elas podem ser inflamadas sem nenhum aviso.

A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e os aliados da Ucrânia no ocidente têm apoiado fortemente o presidente Petro Poroshenko. Mas o que podem fazer para influenciar o comportamento russo?

Haverá conversas sobre mais sanções econômicas, mas a Rússia já está sofrendo fortes sanções que não foram suficientes para forçar o país a repensar a anexação da Criméia. Deve haver pedidos de mais suporte para a Ucrânia, para que os países da Otan forneçam treinamento para os militares do país – estima-se que eles podem ajudar mais.

E o governo do presidente americano Donald Trump, antes mesmo desse episódio, já estava considerando vender mais armas para a Ucrânia, em adição aos mísseis antitanque já fornecidos.

Mas há um equilíbrio difícil de ser atingido entre apoio para a integridade territorial da Ucrânia, de um lado, e de outro evitar qualquer coisa que possa pesar para que o conflito se torne uma guerra aberta.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=m6yRLSqabpI

https://www.youtube.com/watch?v=Qu4t6CnDnCs&t=165s

https://www.youtube.com/watch?v=T_yTm_M_qPs

Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.