Passam este domingo (03.05) dois anos após a morte por doença do histórico líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) Afonso Dhlakama, que dirigiu a organização durante 39 anos.

Para assinalar o aniversário da morte de Afonso Dhlakama, o atual líder do principal partido da oposição dirigiu-se, num discurso, aos quadros do partido na sede em Maputo, num contexto condicionado pelas medidas de prevenção da covid-19.

Ossufo Momade disse que o partido está comprometido com o processo de Desmobilização, Desarmamento e Reintegração (DDR) dos guerrilheiros da RENAMO, no quadro do acordo de paz assinado em agosto do ano passado, em memória de Afonso Dhlakama.

"Celebramos esta data com tristeza, mas fazemo-lo com alegria, porque temos o orgulho de termos tido um líder carismático como ele [Afonso Dhlakama]", afirmou Ossufo Momade.

Estabilidade política em Moçambique

Ossufo Momade avançou que o espírito e vontade de Afonso Dhlakama de assegurar a paz no país vai orientar a determinação do partido em manter a estabilidade política em Moçambique. Afonso Dhlakama, que morreu em 2018, foi presidente da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) entre 1979 e 2018. Tinha 65 anos. Formalmente, foi eleito líder em pelo menos cinco congressos.

O chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, e o atual líder da Renamo assinaram em agosto do ano passado um acordo de paz, que preconiza o DDR.

Desde então, ainda nenhum guerrilheiro entregou as armas, excetuando 10 oficiais da Renamo indicados para integrar o Comando-Geral da Polícia moçambicana e que concluíram instrução em novembro.

Em entrevista recente à Lusa, Ossufo Momade disse que o desarmamento vai abranger 5.000 guerrilheiros da Renamo, avançando que o processo iria arrancar em breve.

por: Agência Lusa, bd

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.