No momento em que o Governo italiano se revela eurocético, o tema do projeto europeu será central nas reuniões entre Putin e as autoridades italianas, em que se falará ainda das crises na Líbia, na Ucrânia, na Venezuela e no Irão.

Putin aproveitará a presença em Roma para discutir questões centrais da cooperação bilateral, nas esferas política, económica, social e cultural.

O Governo italiano não esconde a simpatia com Vladimir Putin, tendo por várias vezes defendido o levantamento de sanções à Rússia, dentro da União Europeia.

No recente Fórum Económico Mundial, em São Petersburgo, durante um encontro com os diretores das principais agências noticiosas do mundo, Putin agradeceu às autoridades italianas pelo seu “desejo de encontrar maneiras de melhorar” os contactos entre a Rússia e a União Europeia.

A visita de Vladimir Putin de um dia a Itália acontece após a deslocação do primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, a Moscovo, em outubro de 2018, em que foram feitas promessas de aproximação política e económica entre os dois países.

Antes dos encontros em Roma, Vladimir Putin terá uma audiência no Vaticano com o Papa Francisco sobre a situação na Síria e o conflito na Ucrânia, segundo disse o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, numa entrevista a um jornal italiano.

Parolin disse que o Papa colocará ainda a Putin as preocupações do Vaticano sobre questões como a proteção dos cristãos no Médio Oriente e a “crise de valores cristãos nas sociedades ocidentais”.

O encontro de hoje entre Putin e o Papa Francisco será o terceiro, depois das audiências em 25 de novembro de 2013 e, mais recentemente, em 10 de julho de 2015, quando o Presidente russo transmitiu ao pontífice a necessidade de procurar a paz na Ucrânia.

Parece descartada, embora seja sempre uma das questões esperadas, a possibilidade de o Presidente russo convidar o Papa para uma visita à Rússia – um evento que seria histórico, já que nenhum Papa visitou o país, acontecimento para o qual precisaria da autorização da Igreja Ortodoxa Russa, que se tem mostrado relutante em relação a essa hipótese.

O arcebispo da Diocese da Mãe de Deus em Moscovo e presidente da Conferência dos Bispos Católicos da Federação Russa, Paolo Pezzi, disse recentemente que não acredita que o convite para uma visita do Papa à Rússia seja um tema na agenda de Putin.

Pezzi acrescentou que o encontro de hoje entre Putin e o Papa Francisco faz parte da estratégia de estreitamento de relações entre o Vaticano e a Rússia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.