A instalação do módulo de produção de energia marca o início da integração de infraestruturas na plataforma Coral Sul cumprindo um calendário difícil devido às restrições impostas "em todo o mundo, resultantes da pandemia da COVID-19", nota o consórcio.

A construção, na Coreia do Sul, "regista progressos assinaláveis rumo ao início da produção prevista para o ano 2022", acrescenta.

A plataforma é uma embarcação de grandes dimensões que ficará estacionada ao largo da província de Cabo Delgado para extrair o gás natural através de seis poços na base oceânica, transformá-lo em líquido e exportá-lo para cargueiros especiais.

Será o início de exploração das reservas de gás natural da bacia do Rovuma, cabendo à plataforma uma capacidade de produção de 3,4 milhões de toneladas por ano (mtpa) de gás natural liquefeito (GNL).

A petrolífera italiana Eni é a operadora do projeto Coral Sul.

O consórcio da Área 4 é operado pela Mozambique Rovuma Venture (MRV), uma 'joint venture' que detém uma participação de 70% pertencente à Eni (25%), ExxonMobil (25%) e CNPC (20%).

Além da MRV, a portuguesa Galp, a coreana KOGAS e a Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) moçambicana detêm participações de 10%.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.