“As apreensões recorde de estupefacientes em períodos de eleição para além de revelarem a fragilidade do nosso país e a promiscuidade de certas lideranças em negócios ilícitos, constituem elementos de prova inequívoca da vontade política para combater este crime, que todos sabiam”, revelou, em comunicado, o PAIGC, vencedor das legislativas de março na Guiné-Bissau.

Segundo o partido, aquela é também a resposta aos apelos dos membros do “Conselho de Segurança [da Organização das Nações Unidas] que de forma reiterada vêm expressando preocupação com a questão do narcotráfico e o crime organizado transnacional na Guiné-Bissau”.

“O PAIGC está a liderar o atual Governo com o compromisso de combater todo o tipo de crime, sobretudo, aqueles que antes eram ocultados, por conveniência ou apatia de alguns”, salientou a nota.

O PAIGC pede também ao Governo para “continuar a desenvolver ações de cooperação bilateral e multilateral” para melhorar as condições de trabalho da Polícia Judiciária (PJ) e intensificar o combate ao tráfico de droga.

A PJ da Guiné-Bissau anunciou, na segunda-feira, a apreensão de quase duas toneladas de cocaína, no norte do país.

Em março, a PJ já tinha apreendido 800 quilogramas daquela droga.

Num comunicado, divulgado quarta-feira, o Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), partido líder da oposição na Guiné-Bissau, mostrou preocupação com o crescimento do tráfico de droga no país.

O Madem-G15 manifestou a sua “profunda” preocupação com o “estranho” crescimento do tráfico de droga “sem que seja adotado um plano estratégico, eficaz e exequível” capaz de conter as ações dos traficantes de droga.

O movimento da oposição responsabilizou também o Governo, liderado pelo PAIGC, pela “deterioração das condições de controlo do território nacional e de ausência e determinação política do Governo em combater o tráfico de droga e o crime organizado”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.