"Há irregularidades fortes que têm de ser combatidas, porque, se continuarem assim, o esforço que estamos a fazer de reconciliação pode não resultar em nada para o povo", referiu Afonso Dhlakama em entrevista à Lusa, no início de Fevereiro de 2018.

Dhlakama falava ao fazer uma avaliação da primeira volta da eleição municipal intercalar de Nampula, realizada em Janeiro, cuja segunda volta foi ganha pelo candidato da Renamo.

A análise foi feita quando faltavam oito meses para se iniciar um novo ciclo eleitoral, com as autárquicas agendadas para 10 de Outubro e eleições gerais a decorrerem em 2019.

O líder da Renamo defendeu que o Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE) deve estar subordinado à Comissão Nacional de Eleições, ao invés de trabalhar isolado.

"O problema é que temos dois órgãos independentes" e enquanto a Renamo está representada na CNE, no STAE só entra "no tempo eleitoral".

Os outros membros do órgão "ficam cinco anos sozinhos a cozinhar fraude e tudo aquilo" a que Dhlakama chamou de "confusão", que diz ter sido visível na eleição em Nampula - em linha com as críticas tecidas por organizações da sociedade civil, nomeadamente quanto às falhas nos cadernos eleitorais.

O ex-líder da Renamo disse ainda à Lusa que o partido iria exigir que o STAE, a todos os níveis hierárquicos (central, provincial, distrital e de cidade) seja um corpo de "elementos técnicos recebendo ordens e subordinando-se" à CNE, para assim ser possível "controlar a situação".

Dhlakama queixou-se do facto de, em Nampula, ter havido residentes que "perderam os cartões" de eleitor, porque eram os mesmos de 2014 "e as pessoas pensam que em cada eleição é preciso receber um novo cartão" - mas para a eleição intercalar não houve recenseamento.

"Muita gente já não tinha o cartão" e não foi facilitada a votação a quem, em alternativa, se identificava com o bilhete de identidade, como prevê a lei, referiu.

Noutros casos, houve "nomes trocados de propósito" nos cadernos, no que classifica como um conjunto de problemas detectados, sobretudo em bairros que costumam apoiar a Renamo, disse.

"Foi isto que aconteceu em Nampula" e que impediu que o principal partido da oposição vencesse na primeira volta, considerou Dhlakama.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.