“Estamos preocupados. Acreditamos que há um problema local que está a ser aproveitado pelo Estado Islâmico. Nos últimos 12 a 18 meses desenvolveram as suas capacidades, tornaram-se mais agressivos e usaram técnicas e procedimentos comuns em outras partes, nomeadamente no Médio Oriente, associados ao Estado Islâmico”, disse o major-general Dagvin Anderson.

O comandante do Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos em África, com sede em Kelley Barracks em Estugarda, na Alemanha, falava hoje, durante uma conferência de imprensa para abordar os esforços dos Estados Unidos no combate ao terrorismo em África durante a pandemia de covid-19.

Dagvin Anderson apontou o facto de o próprio Estado Islâmico ter reivindicado essa ligação, mas considerou, sobretudo, determinantes os sinais da organização terrorista nas comunicações.

“Vimos publicações e comunicações nos média muito bem feitas e que têm a impressão digital e todas as marcas do Estado Islâmico”, disse.

“Por isso, acreditamos que há uma ligação mais profunda, que o Estado Islâmico está envolvido com a fação no norte de Moçambique e que têm influência”, acrescentou.

O responsável admitiu, no entanto, que a extensão dessa influência não é ainda totalmente conhecida.

“Estamos a trabalhar com a nossa embaixada e com o Governo de Moçambique para ter uma ideia melhor, perceber como essa ameaça se está a desenvolver e o que é que isso significa para a região”, afirmou.

Para o major-general Dagvin Anderson não há dúvidas de que “há atores externos que estão a influenciar o conflito e a torná-lo mais virulento e perigoso”.

“Já não se trata apenas de um conflito local que possa ser resolvido apenas pelas autoridades locais. Foi inflamado pelo Estado Islâmico, que fornece treino, formação e recursos”, considerou.

Dagvin Anderson sublinhou a preocupação pela forma como a relação entre o movimento rebelde local e o Estado Islâmico se está a desenvolver, considerando que a resposta terá de ser liderada por Moçambique, mas envolvendo outros países e a comunidade internacional.

“Moçambique tem de tomar a liderança, mas é preciso envolver vários países na região. Tanzânia, Malaui e outros países terão de ajudar porque o terrorismo vai atravessar fronteiras e procurar refúgio onde puder para continuar a destabilizar a região”, disse.

Por outro lado, defendeu, a abordagem à ameaça não deve passar apenas por uma resposta militar, devendo incluir outras questões como o reforço da segurança, resolução dos problemas na origem da contestação e promoção do desenvolvimento económico e de oportunidades para as populações.

“Estas são áreas em que o Governo norte-americano tem estado envolvido dando apoio a Moçambique”, disse, indicando como exemplo a ajuda norte-americana ao país na sequência da destruição causada pelos ciclones de 2019.

“Se não dermos essa ajuda, se a comunidade internacional não se juntar para encontrar uma solução após estas crises, os extremistas violentos irão explorar isso e procurar afastar as populações dos governos, criando narrativas e realidades alternativas. Todas estas abordagens têm de ser combinadas para promover o contraterrorismo”, disse.

Questionado pela agência Lusa sobre a possibilidade de uma resposta de apoio militar dos Estados Unidos ao conflito, Dagvin Anderson sustentou que essa seria uma “solução de último recurso”.

“Se chegar até nós, como militares, significa que as coisas ficaram muito más. Gostaríamos de manter as forças militares fora desta questão o máximo possível”, disse, adiantando que o envolvimento militar norte-americano, “sempre em último recurso”, passará pela assistência e apoio às forças locais.

“Mesmo com o envolvimento da Al-Qaida ou do Estado Islâmico são sempre problemas localizados que precisam do conhecimento das forças locais. Nós podemos ajudar a reforçar as suas capacidades, através de formação, equipamentos ou treino, dependendo sempre das condições no terreno e do nível da ameaça”, disse.

Cabo Delgado é desde outubro de 2017 palco de ações de grupos armados, que, de acordo com as Nações Unidas, forçaram à fuga de 250.000 pessoas de distritos afetados pela violência, mais a norte da província.

A capital provincial, Pemba, tem sido o principal refúgio para as pessoas que procuram abrigo e segurança em Cabo Delgado, mas há quem prefira fugir para outros lugares, incluindo Niassa e Nampula, províncias vizinhas.

O conflito armado naquela província já matou, pelo menos, 1.000 pessoas, e algumas das ações dos grupos armados têm sido reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.