No dia 5 de Março, em Maputo, as cervejas nacionais estiveram em destaque, tendo sido distinguidas como as melhores do continente em três categorias. Laurentina Preta, Manica e 2M conquistaram três prémios na bienal do Institute of Brewers and Distillers.

A cerveja 2M é a melhor cerveja clara de África com teor alcoólico abaixo de 5%. Não acredita? Quem o diz são a maioria dos 250 especialistas da área reunidos na capital no passado dia 5 de Março. Ao pódio subiu também a Laurentina Preta, considerada, pela segunda vez consecutiva, a melhor cerveja preta de África. E porque não há duas sem três, também a cerveja Manica foi premiada, tendo conquistado o título de melhor cerveja africana na categoria de cervejas claras com teor de álcool igual ou acima de 5%.

Nesta bienal estiveram em competição mais de 50 marcas de cerveja produzidas no continente. No final do evento, a grande vencedora foi mesmo a 2M, que se sagrou “Grande Campeão de Cerveja 2015”, um título que agrupa todas as categorias de cervejas em competição.

Em entrevista ao jornal Notícias, Pedro Cruz, director-geral da Cervejas de Moçambique, fez saber que estas distinções “reflectem a excelência do trabalho desenvolvido individualmente e em equipa” pelos colaboradores da empresa, acrescentando que é esse trabalho que permite ter “marcas nacionais de classe mundial”.

A empresa Cervejas de Moçambique emprega actualmente cerca de 1200 trabalhadores efectivos e detém três fábricas de cerveja, duas de Chibuku, uma de vinhos e espirituosas e sete depósitos de vendas.

Consulte os prémios das marcas acima mencionadas aqui.

SAPO