"Em nenhum momento nós vamos reconhecer os resultados, porque o que aconteceu no dia 15 de outubro não foi uma eleição, foi uma farsa", afirmou Ossufo Momade, falando num comício na cidade de Nampula, norte do país.

Momade acusou a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e o seu candidato presidencial, Filipe Nyusi, de "roubo" no escrutínio, adiantando que a Comissão Política da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) vai convocar o Conselho Nacional do partido para decidir os passos a seguir em relação ao processo eleitoral.

"Eu quero ser o Presidente da República através da vontade popular e não através da manipulação" dos resultados eleitorais, afirmou.

Ossufo Momade insistiu na acusação de que Filipe Nyusi e o seu partido conseguiram a vitória nas eleições gerais através do enchimento de urnas.

"Eu tenho a máxima certeza de que eles estão com a consciência pesada, porque é o que acontece com um ladrão, depois de comer um cabrito roubado", referiu.

O líder da Renamo acusou a Frelimo de pretender instalar a ditadura no país, através da maioria absoluta que conseguiu nas eleições legislativas.

"O que a Frelimo quer é governar na ditadura e não através do voto popular, querem mudar a Constituição para fazer o país regressar ao monopartidarismo, nós não vamos permitir isso, não vamos vacilar", acusou Ossufo Momade.

Os resultados das eleições gerais de 15 de outubro anunciados pela Comissão Nacional de Eleições de Moçambique (CNE) deram larga vantagem à Frelimo e a Filipe Nyusi para um segundo mandato como Presidente, com 73% dos votos.

Para o parlamento, a Frelimo conseguiu eleger 184 dos 250 deputados, ou seja, 73,6%, mais de dois terços dos lugares necessários para aprovar alterações constitucionais.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.