O jornal Notícias escreve hoje que Ndambi Guebuza e António Carlos do Rosário, antigo director da Inteligência Económica do Serviço de Informação e Serviço e Estado (SISE), vão continuar detidos, após o Tribunal Supremo ter negado provimento ao pedido de "habeas corpus" que submeteram há uma semana.

O filho de Armando Guebuza e o antigo dirigente do SISE estão detidos desde Fevereiro deste ano, acusados de envolvimento em actos de corrupção relacionados com subornos pagos com o dinheiro das chamadas dívidas ocultas.

Este é o segundo pedido de "habeas corpus" negado a Ndambi Guebuza e a António Carlos do Rosário, depois de lhes ter sido recusado no início de Julho um outro pedido de liberdade provisória.

O Tribunal Supremo negou igualmente a liberdade provisória a Sérgio Alberto Namburete, também implicado no caso das dívidas ocultas.

O acórdão do Tribunal Supremo aponta o risco de fuga e perturbação das investigações como fundamentos para a manutenção da prisão preventiva.

Os três arguidos fazem parte de um grupo de nove pessoas que está em prisão preventiva no âmbito das investigações às dívidas ocultas.

O processo sobre estas dívidas está relacionado com os avales prestados secretamente pelo anterior Governo moçambicano de mais de dois mil milhões de dólares, entre 2013 e 2014, a favor de empresas públicas de pesca e segurança marítima.

A justiça nacional e a justiça norte-americana consideram que parte desse dinheiro foi usado para o pagamento de subornos a cidadãos moçambicanos e estrangeiros.

Vários analistas e observadores internacionais apontam a cúpula do governo anterior, liderada por Guebuza, como estando directamente envolvida no caso.

O antigo ministro das Finanças Manuel Chang está detido na África do Sul por causa deste processo.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.