O ex-estadista moçambicano defende, porém, a adopção de reformas profundas na área da educação e um esforço maior para erradicar os conflitos internos e a corrupção, nos países do continente.

“Já avançamos muito em matéria de educação, mas a educação ainda não deu os frutos necessários para nós nos apropriarmos dos nossos recursos, para podermos transformar esses nossos recursos em valores para alimentar, de todas as formas, os nossos povos”, diz o ex-estadista.

“É preciso que os países façam reformas muito fortes na área da educação para que possamos conquistar a ciência e a tecnologia,”diz.

Em relação à conflitos, Chissano diz que “ainda há países que favorecem interferências externas e que não estão muito firmes na convicção de que, juntos, podemos marchar com sucesso e podemos nos valer dos nossos próprios meios. Portanto, há ainda problemas de corrupção dentro dos Estados.”

Chissano mostra-se muito preocupado com o novo coronavírus. Diz que a pandemia é um problema muito sério e que os países devem cooperar mais para dar uma resposta mais forte e evitar o contágio massivo da população.

Ele acredita que os países africanos estão a saber dar resposta à Covid-19, mas reconhece que a crise pandémica está e vai criar muitos problemas.

Diz Chissano que “enquanto não se descobrir um remédio há-de ser uma grande preocupação. Por enquanto, daquilo que se sabe, é preciso cumprirmos com as medidas que já foram preconizadas”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.