"Estamos neste momento a atuar sobre alvos terroristas na Faixa de Gaza", informaram as forças de defesa de Israel numa mensagem enviada pelas redes sociais, sem dar mais detalhes.

Segundo uma fonte de segurança israelita, que está em Gaza, os ataques provocaram graves danos em posições ocupadas por combatentes do movimento Hamas e pelo grupo aliado Jihad Islâmica, mas não provocaram feridos.

O pretexto para este uso da força foi o disparo, a partir da Faixa de Gaza, de engenhos explosivos que caíram na região de Tel Aviv, embora sem provocar vítimas ou danos. "Dois rockets foram lançados da Faixa de Gaza contra o território israelita [...]. Não há qualquer ferido ou dano", comunicou o exército hebreu.

"Os sistemas de alerta funcionaram normalmente, mas não se fez qualquer intercetação através dos sistemas de defesa aérea", informaram os militares.

Entretanto, o gabinete do Primeiro-ministro de Israel já tinha publicado um vídeo no qual um míssil, identificado como parte do sistema Iron Dome, derrubava um rocket "sobre a área de Tel Aviv".

O presidente da câmara de Tel Aviv, Ron Huldai, disse à televisão estatal que um dos rockets "aparentemente caiu no mar e o outro o Primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, que acumula o cargo de ministro da Defesa, convocou uma reunião do gabinete de segurança do Governo.

Tel Aviv está situada a 70 quilómetros a norte da Faixa de Gaza, enclave palestiniano que é controlado pelo movimento islâmico Hamas, o qual já veio negar ser o responsável pelos disparos.