Os montantes foram hoje divulgados em Lisboa, durante a assinatura do memorando de entendimento entre a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o governo de Moçambique, segundo o qual o Instituto de Gestão das Calamidades Naturais será o principal beneficiário dos recursos.

As verbas vão ser canalizadas através de uma nova rubrica do fundo especial da CPLP dedicada ao "apoio à situação de emergência provocada pelo ciclone Idai em Moçambique".

Estão já disponíveis 250 mil euros (consignados por Portugal à rubrica "alterações climáticas" no âmbito do fundo especial da CPLP) que deverão ser reforçados com os contributos de Timor-Leste (890 mil euros), Cabo Verde (200 mil euros), Guiné-Bissau (100 mil euros), Portugal (100 mil euros), Associação Caboverdeana, na qualidade de observador consultivo da CPLP (250 euros) e Ordem dos Advogados (7.000 euros).

"Quando a CPLP decidiu, há uma semana e meio, instituir este apoio especial no âmbito do fundo especial da CPLP tínhamos em mente, não só a situação trágica que estavam a passar os nossos irmãos de Moçambique, mas também a importância de haver um gesto da CPLP nesta hora muito difícil para um dos seus estados-membros fundadores", assinalou o secretário-executivo da CPLP, Francisco Ribeiro Telles, após assinar o protocolo.

Francisco Ribeiro Telles mostrou-se "convencido" de que o fundo terá mais adesões no futuro, destacando que "quaisquer contribuições serão bem-vindas".

O embaixador de Moçambique em Lisboa e representante permanente do país na organização lusófona, Joaquim Bule, registou "com apreço, o gesto da CPLP" e garantiu que os gastos serão auditados.

"Há mecanismos que foram instituídos pelo Governo de Moçambique, no sentido de que toda a ajuda canalizada para o país no âmbito da emergência está sujeita a auditoria externa", o que assegura que os fundos serão usados "com a transparência necessária" e que haverá prestação de contas, considerou o diplomata.

"Nós costumamos dizer que é nos momentos difíceis que se revelam os melhores amigos e acreditamos que a contribuição feita pelos Estados-membros da CPLP vai contribuir para o conjunto dos esforços que o país está a fazer e que a comunidade internacional também está a fazer, com vista a ajudar o país a enfrentar os prejuízos, os danos, a destruição provocada pelo ciclone", declarou Joaquim Bule.

O ciclone Idai atingiu a região centro de Moçambique, o Maláui e o Zimbabué em 14 de março.

Segundo o último balanço das autoridades moçambicanas, o ciclone fez 602 mortos e 1.641 feridos, tendo afetado mais de 1,5 milhões de pessoas no centro de Moçambique.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.