A antiga governante é acusada de se ter apropriado de duas viaturas emprestadas ao Ministério da Justiça pelas Nações Unidas, anunciou esta quarta-feira (08.04) o advogado de defesa de Ruth Monteiro.

"O Ministério Público decidiu avançar com um processo a partir de uma denúncia vinda do Ministério da Justiça, denúncia essa sem qualquer base probatória, que sustente os factos alegados", afirmou o advogado Luís Vaz Martins em entrevista à DW África.

Após uma audiência que durou várias horas, o Ministério Público aplicou a Ruth Monteiro o termo de indentidade e residência. Segundo a defesa, a medida foi justificada com o facto de a antiga ministra ter duas nacionalidades, guineense e portuguesa, e haver alegadamente risco de fuga.

Perseguição política

Ruth Monteiro rejeita as acusações. Em entrevista à DW África, na semana passada, a antiga governante esclareceu que já entregou ao sistema das Nações Unidas as viaturas emprestadas. Revelou ainda que temia pela sua segurança e que estava a ser alvo de uma perseguição política levada a cabo pelas novas figuras no poder na Guiné-Bissau.

Esta quarta-feira, Ruth Monteiro reiterou aos jornalistas que está a ser perseguida por fazer parte do Executivo de Aristides Gomes, arredado do poder.

"Não há rigorosamente nada que não seja a violação dos meus direitos mais elementares. Isto é o que estou a sofrer por ter feito parte do Governo de Aristides Gomes. Estou à mercê dos desmandos do poder, que instruiu o Ministério Público para me perseguir e o Ministério Público aceitou fazer esse papel", afirmou.

"Eu faço parte de um Governo legítimo e reconhecido internacionalmente e compete ao Ministério Público a luta pela legalidade democrática. Mas este é um Ministério Público que diz que sou ex-ministra, que reconhece um Governo que ninguém mais reconhece", disse no final de audiência que teve lugar em pleno estado de emergência em vigor devido ao novo coronavírus.

MP aplicou medida antes de ter processo

Antes de ser formalmente acusada, esta quarta-feira, Ruth Monteiro disse ter sido impedida por duas vezes de sair do país.

Para o advogado de defesa, um antigo presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos, o processo está enviesado desde o início.

"O Ministério Público, ao invés de servir para a defesa do interesse da realidade, vai servindo de instrumento para a materialização de outros interesses mesquinhos, como acabou sendo provado hoje na audiência", disse Luís Vaz Martins à DW África.

Ruth Monteiro foi a ministra da Justiça e dos Direitos Humanos. Posteriormente, acumulou a pasta dos Negócios Estrangeiros no Governo de Aristides Gomes, resultante das eleições legislativas de março de 2019 e demitido mais tarde por Umaro Sissoco Embaló, que assumiu o poder em fevereiro passado, enquanto decorria um recurso de contencioso eleitoral.

por: Braima Darame

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.