"Este apoio pontual, que ocorre no âmbito da cooperação com a Rússia, tem a ver com o reforço da nossa capacidade para defender as pessoas e manter a ordem, segurança e tranquilidade pública", disse José Pacheco, durante uma conferência de imprensa momentos após aterrar no Aeroporto Internacional de Maputo, no regresso de Assembleia Geral das Nações Unidas.

Fotos do material russo a ser descarregado num aeroporto do norte do país começaram a circular em Setembro nas rede sociais, associadas a textos sobre uma suposta presença de tropas para apoiar o combate a uma onda de ataques armados que afecta a região há dois anos.

O chefe da diplomacia moçambicana não especificou se, além do equipamento, há militares russos na região - facto negado pela embaixada da Rússia em Moçambique. Também não revelou que tipo de equipamentos nem que quantidade foi fornecida.

Em nota enviada à Lusa há duas semanas, a representação diplomática referiu que a deslocação de unidades das forças armadas russas ao estrangeiro requer "o convite do Estado-parceiro", a assinatura dos respectivos acordos e "a aprovação da câmara alta do Parlamento da Federação da Rússia, como ocorreu no caso da Síria".

Segundo Pacheco, "todos os apoios são bem-vindos" para devolver a segurança às comunidades afectados pelos ataques no norte de Moçambique.

"Todos os moçambicanos têm o desafio de pacificar o país. Se por um lado temos sido bem sucedidos com o acordo de paz [assinado entre o Governo e a Renamo, ainda temos este espinho na província de Cabo Delgado, ainda que de dimensão localizada", concluiu José Pacheco.

Em Agosto, o chefe de Estado, Filipe Nyusi, visitou a Rússia, tendo, na altura, o Governo manifestado interesse em reforçar a cooperação bilateral, com destaque para a área de defesa e segurança.

Alguns distritos da província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, são alvo de ataques de grupos armados desde há dois anos, havendo relatos de violência quase todas as semanas, apesar do silêncio das autoridades.

De acordo com números recolhidos pela Lusa, a onda de violência já terá provocado a morte de, pelo menos, cerca de 250 pessoas, entre residentes, supostos agressores e elementos das forças de segurança.

Os ataques ocorrem na região onde se situam as obras para exploração de gás natural nos próximos anos.

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico tem anunciado desde Junho estar associado a alguns destes ataques, mas autoridades e analistas ouvidos pela Lusa têm considerado pouco credível que haja um envolvimento genuíno do grupo terrorista nos ataques, que vá além de algum contacto com movimentos no terreno.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.