"A sua coragem e capacidade de liderança permitiu a Moçambique encabeçar e desenvolver oportunidades em projectos de dimensão mundial que muito contribuíram e continuarão a contribuir para fortalecer a posição do país", lê-se no documento distribuído hoje à imprensa.

Para o presidente da Galp, Moçambique continua entre os principais parceiros de cooperação das empresas portuguesas, num momento em que o país africano entra numa fase importante com os projectos de exploração de gás natural.

"Será, pois, a década de Moçambique", frisou o presidente da Galp, acrescentando que principal desafio é garantir que os investimentos realizados nos projectos de gás natural na Bacia do Rovuma se realizem de acordo com os planos e os calendários acordos".

A Galp torna-se assim a segunda petrolífera a felicitar o chefe de Estado moçambicano pela sua reeleição, após a norte-americana Exxon Mobil.

A Galp está no consórcio que quer explorar gás natural na Área 4, norte de Moçambique, e que é liderado Eni e pela Exxon Mobil, ambas com uma comparticipação conjunta de 70%.

No consórcio, a Galp tem uma participação de 10%, tal como empresa estatal moçambicana ENH e a Kogas, da Coreia do Sul.

No ano de 2017, o volume de negócios da Galp em Moçambique na área de distribuição de combustíveis representou 128 milhões de euros, tendo em 2018 aumentado para os 163 milhões de euros.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.