"Temos muitos críticos e, às vezes, nem vão ao terreno ver o que é que está a acontecer. Para nós, é normal. Críticas no nosso país são habituais", disse o porta-voz do partido em conferência de imprensa em Maputo, Caifadine Manasse.

O recenseamento para as eleições gerais de 15 de Outubro em Moçambique terminou no dia 30 de Maio e até ao dia 26 tinham sido registados 73% do total de eleitores previstos.

O Secretário Técnico de Administração Eleitoral (STAE) fixou como meta o registo de sete milhões de eleitores, numa operação que se iniciou em 15 de Abril e durou 45 dias.

A Acção Desenvolvimento e Sociedade (ADS), organização da sociedade civil moçambicana, acusou hoje o STAE de manipulação ao excluir cerca de 700 mil eleitores nas regiões onde a oposição consegue normalmente bons resultados eleitorais.

A ADS afirmou que o STAE acrescentou mais de 400 mil eleitores fora da previsão real na província de Gaza, sul do país, que sempre deu vitória à Frelimo.

A Frelimo considera tratar-se de falácias.

"Estas eleições serão as mais pacíficas porque provém de um pacote eleitoral que foi aprovado por consenso (…) e aprovado pelo parlamento", afirmou Caifadine Manasse.

Também numa avaliação ao recenseamento eleitoral, o Instituto Eleitoral da África Austral, da sociedade civil, defendeu hoje uma auditoria ao registo eleitoral, assinalando que a operação foi marcada por irregularidades.

As eleições gerais - legislativas, presidenciais e provinciais - estão agendadas para 15 de Outubro, marcando assim o término do ciclo eleitoral 2018/2019, que começou com as eleições autárquicas em 10 de Outubro do ano passado.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.