O evento reuniu 24 empresários chineses, incluindo o conglomerado Tiens Group, que opera nas áreas biotecnologia, logística, finanças e comércio internacional, no Beijing Capital Club, segundo imagens difundidas na rede social Wechat de um dos participantes.

Situado no norte de Pequim, junto ao estádio olímpico, e fundado em 1994, o Beijing Capital Club é o "mais antigo" clube privado de negócios da capital chinesa, segundo o seu portal oficial.

Este fim-de-semana, o chefe de Estado revelou que o fluxo de transações comerciais entre Moçambique e China atingiu os 4,6 mil milhões de dólares, entre 2013 e 2017.

Entre os produtos exportados por Moçambique, Nyusi destacou os bens agrícolas, minérios e matérias-primas, enquanto as importações oriundas da China foram sobretudo compostas por automóveis, cereais, gasóleo, maquinaria e cimento.

"No que toca aos investimentos, a China tornou-se também um dos maiores investidores no nosso país: entre 2013 e o primeiro semestre de 2018, foram aprovados 148 projetos, num valor total de 751 milhões de dólares, em investimento direto chinês, suscetíveis de criar 20.000 postos de trabalho para os cidadãos moçambicanos", acrescentou.

Nyusi destacou a presença da China nos setores do turismo, agricultura e agroindústria, e lembrou o potencial do seu país na mineração, produção de energia e infraestruturas.

"É na agricultura, em toda a sua cadeia de valor, onde vemos uma vasta, rápida e imediata participação do empresariado chinês, através da construção de infraestruturas agrícolas, introdução de novas tecnologias, mecanização e investigação", disse.

O Presidente da República lembrou ainda que "a China é um dos maiores investidores na indústria hoteleira de Moçambique, com grandes empreendimentos turísticos nas principais cidades do país, com destaque para as que pertencem ao grupo AFECC Gloria, donos do maior hotel de Maputo".

Nyusi destacou "o potencial, ainda enorme, por explorar" no setor da pesca, "sobretudo na pescaria do atum e no cultivo de peixes crustáceos e moluscos", e na produção de energia hidroelétrica, solar, eólica, notando que o país detém reservas de 180 biliões de pés cúbicos de gás natural e 20.000 milhões de toneladas de carvão.

"A existência de um grande potencial energético, aliado à localização geoestratégica do nosso país, coloca-nos numa posição privilegiada em relação aos outros países da África Austral, no que concerne à produção de energia, cuja procura situa-se 40% acima das atuais necessidades", disse.

Na área das infraestruturas, o líder moçambicano afirmou que é "imperativa a construção de mais portos e a reabilitação das estradas", enquanto na componente habitacional, "existe um enorme potencial para um mercado que abrange um universo de 350 mil funcionários públicos e jovens em início de carreira".

Nyusi revelou que esteve reunido, em Pequim, com empresários da área farmacêutica, apontando a produção de vacinas, pesticidas, drogas e medicamentos agrários como uma oportunidade de investimento.

O evento contou ainda com a participação do ministro dos Recursos Minerais e Energia, Max Tonela, o diretor-geral da Agência para a Promoção de Investimento e Exportações (APIEX), Lourenço Sambo, e do presidente da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), Omar Mithá.

Trinta e nove empresários moçambicanos, do setor público e privado, marcaram também presença.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.