Numa mensagem divulgada pelos seus canais de comunicação, o EI diz que os seus elementos “atacaram um posto do exército moçambicano” em Muidumbe, “entraram em confronto usando uma variedade de armas” e o resultado “foi a morte e o ferimento de múltiplos elementos, enquanto os que permaneceram vivos escaparam”.

O EI anunciou ainda a apreensão de um veículo, armas e munições.

Residentes na região disseram hoje à Lusa que houve uma fuga generalizada dos habitantes após os ataques de segunda e terça-feira.

“Eu estou em Mueda e há muita gente que fugiu para aqui, saindo das aldeias de Ntchinga, Xitaxi e Muatide (aldeias de Muidumbe) e Namacande (sede de Muidumbe)”, disse em contacto telefónico um dos residentes em fuga, sob anonimato.

“Mesmo aqui em Mueda, há pessoas a fugir porque circulam informações de que eles estão a caminho daqui”, declarou outro residente.

Mueda é uma vila e sede de distrito na zona poente de Cabo Delgado, mais afastada da região costeira, a mais massacrada pelos grupos armados.

Um outro residente de Namacande disse estar na mata desde o ataque de segunda-feira, relatando que o grupo armado “queimou casas, infraestruturas, o banco, bombas [de combustível] e o edifício da administração”.

“Não sei se morreram pessoas porque fugi para a mata”, declarou.

Outros relatos ouvidos na terça-feira pela Lusa davam conta de os membros do grupo armado terem dito à população que todos deviam aderir ao islamismo, destruindo uma igreja católica e levando com eles quatro pessoas.

Em contacto com a Lusa, o bispo de Pemba, Luiz Fernando Lisboa, disse ter a mesma informação relativa a uma igreja incendiada e relatos de que a população estava a fugir para o mato.

Segundo as mesmas fontes, o terror ter-se-á espalhado por várias povoações em redor de Muidumbe e ouviram-se confrontos na segunda e terça-feira.

Diferentes fontes locais disseram à Lusa que a par dos ataques no distrito de Muidumbe, houve também na segunda-feira uma incursão armada contra Bilibiza, mais de 100 quilómetros a sul e a cerca de 50 de Pemba, capital provincial.

Bilibiza é uma povoação onde está situada uma escola agrária atacada em janeiro e de onde parte da população fugiu.

A Lusa contactou o porta-voz da Polícia moçambicana em Cabo Delgado, Augusto Guta, que não confirmou nem desmentiu a informação, sendo que nenhuma outra fonte das forças de defesa e segurança moçambicanas se pronunciou sobre o caso.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) não realizou o habitual encontro semanal às quartas-feiras com a comunicação social e no boletim de ocorrências semanal hoje divulgado não faz referência à situação em Cabo Delgado.

A província tem sido alvo de ataques de grupos armados que organizações internacionais classificam como uma ameaça terrorista e que em dois anos e meio já fez, pelo menos, 350 mortos, além de 156.400 pessoas afetadas com perda de bens ou obrigadas a abandonar casa e terras em busca de locais seguros.

No final de Março, as vilas de Mocímboa e Quissanga foram invadidas pelo grupo, que destruiu várias infraestruturas e içou a sua bandeira num quartel das Forças de Defesa e Segurança de Moçambique.

Na ocasião, num vídeo distribuído na internet, um alegado militante ‘jihadista’ justificou os ataques de grupos armados no norte de Moçambique com o objetivo de impor uma lei islâmica na região.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.