Em declarações à agência Lusa, a presidente da Padema, Luzia Moniz, disse que até a data estão confirmados a presença dos embaixadores da Argélia, Líbia, Egipto, República Democrática do Congo, Cabo Verde, Guiné Equatorial e Moçambique. Os embaixadores da Suécia e das Filipinas em Portugal também estarão presentes.

“Até ao momento não temos confirmação[do Governo Português], fizemos o convite a membros do Governo, a única instituição pública que já nós confirmou que lá estará é o Alto Comissariado para a Emigração. Mas, estou em querer que teremos algum membro do Governo, estamos a espera das respostas, eles próprios manifestaram interesse no projeto”, acrescenta.

O deputado socialista português José Leitão já confirmou a sua presença.

O workshop será coordenado pela Artista Plástica Dilia Fraguito Samarth e a pintura terá elementos da Terra. As primeiras pinceladas serão da Decana do Grupo africano, Fatiha Selmane, embaixadora da Argélia.

"Queremos fazer um elogio a Terra e ao mesmo tempo solidariedade com Moçambique, até para responder o apelo do Secretário Geral da ONU [António Guterres] que nos desafiou na proteção da terra, na defesa das nossas vidas, vamos juntar uma coisa a outra", disse Luzia Moniz.

Os embaixadores dos vários países terão um espaço na tela onde poderão pintar o que quiserem, mas dentro do tema.

Depois de pintada, a tela será leiloada e o dinheiro arrecadado será entregue ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento de Moçambique para apoiar as vítimas dos ciclones. No entanto, ainda não foi estipulado um preço de venda "nós vamos tentar arrecadar o máximo possível, se é por solidariedade, eu acredito que possa aparecer um mecenas que estique o preço, nós acreditamos nisso", afirma Moniz.

A presidente da PADEMA, refere que a ideia de pintarem uma tela surgiu porque sentiram necessidade de serem solidários com Moçambique, mas como são uma organização com fracos recursos ou quase sem recursos financeiros, encontraram essa "forma no âmbito da comemoração do dia da Mulher Africana que nós celebramos todos os anos por altura do 31 de julho e fazemos a feira onde temos uma série de valências culturais incluindo artes plásticas".

"Pensamos porque não pintarmos uma tela por Moçambique, já que queremos ser solidários e temos sempre um workshop de artes plásticas então juntamos uma coisa e outra", salienta Moniz.

Luzia Moniz afirma que os embaixadores africanos convidados aderiram facilmente e salienta que todos sem exceção foram muito recetivos a ideia de participarem nesse projeto solidário.

O workshop enquadrado nas comemorações do 31 de julho, Dia Internacional da Mulher Africana, acontece na Casa Pia do Restelo, a partir das 11 horas, este ano sob o lema: Solidariedade com as Vítimas de ciclones em Moçambique.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.